icons.title signature.placeholder Lucas Pedrosa
09/07/2014
13:06

A Alemanha vive um sonho conquistado a longo prazo. A equipe que eliminou o Brasil nesta terça-feira goza não só do placar avassalador por 7 a 1, mas de uma equipe que vem sendo construída há oito anos, quando a anfitriã da Copa do Mundo de 2006 viu não só uma derrota em uma semifinal, mas, sim, enxergou em seus jovens jogadores o futuro de uma nação futebolística. Toni Kroos, principal jogador no massacre alemão sobre a Seleção Brasileira, é o fruto e, principalmente, o espelho de uma estratégia bem sucedida.

Mal sabia o Bayern

O garoto, nascido na antiga Alemanha Ocidental, começou a trilhar seu caminho no futebol na pequena cidade de Greifswalder. O jovem ingressou e permaneceu por quatro anos nas divisões de base do Hansa Rostock e logo chamou a atenção de olheiros do Bayern de Munique, em 2006. Mal sabiam aqueles olheiros, ou até mesmo cogitavam, que levariam um dos melhores meias do futebol atual a dar o primeiro grande passo de sua trajetória.

Agora sabem

Toni Kroos impressionou atuando nas divisões de base tanto do Bayern quanto da seleção alemã. Foi parte das equipes sub-17, sub-19 e sub-21, sendo eleito o melhor jogador do mundial sub-17, em 2007. Na temporada 2008-2009, aos 17 anos, fez seu primeiro jogo profissional, mostrando seu cartão de visitas com duas assistências para o já badalado Miroslav Klose, companheiro de seleção atualmente e maior artilheiro da história das Copas do Mundo, no jogo contra o Energie Cottbus, válido pelo Campeonato Alemão. Era só o começo da jovem promessa, era só o sonho alemão em sua formação. 

Troca de time na Alemanha

O Bayern de Munique contava com um elenco recheado com jogadores já consagrados no futebol mundial (Frank Ribéry, o brasileiro Zé Roberto e Van Bommel, entre outros) e, mesmo com o início avassalador, Kroos acabou perdendo espaço no clube bávaro. O prodígio foi emprestado ao Bayer Leverkusen e fez uma temporada mágica. Mesmo estando em uma equipe inferior, garantiu sua vaga para a Copa do Mundo de 2010, ingressando de vez no projeto alemão.

Volta a Munique e a consagração

Kroos retornou ao Bayern de Munique depois de mais uma derrota nas semifinais da Alemanha, dessa vez na Copa da África do Sul, em 2010. Ainda com 20 anos, ele retomou sua história no clube bávaro, escrevendo capítulos jamais esquecidos, com seu futebol frio, técnico e em busca da perfeição. Ao lado de jogadores como Bastian Schweinsteiger, Kroos fez parte de uma das equipes mais vencedores da história do Bayern, vencendo todos os títulos possíveis no clube. 


Toni Kroos comemora gol com companheiros de Bayern, entre eles Dante (Foto: Glyn Kirk / AFP)

Kroos, o espelho alemão

A Alemanha, ao longo de seu trabalho exaustivo por oito anos, não conquistou nenhum título, mas sempre mostrou um bom futebol e chegou a Copa como uma das favoritas ao título. Kroos é o espelho de uma equipe disciplinada, técnica, forte e que dificilmente erra. O camisa 18 soma dois gols e quatro assistências na competição e é o jogador que mais acerta passes neste Mundial. Ele reflete a identidade alemã, não por ser o melhor jogador ou carregar sua equipe nas costas, mas por ser o puro DNA do futebol alemão, o mesmo que mostrou a um Brasil acostumado a ensinar o que é um futebol de verdade.

O futuro

Além do título mundial, objetivo iminente do meia, Kroos tem seu nome ligado ao Real Madrid, em uma transferência que gira em torno de 25 a 30 milhões de euros. A negociação não foi concretizada, mas a imprensa europeia encara como certa a ida do meia do Bayern de Munique para o clube espanhol. Até o próprio jogador já disse estar com seu futuro decidido.


Kroos pode ser companheiro de Modric no Real (Foto: Dani Pozo/AFP)

- Já tomei a minha decisão, mas não posso dizer. Vou lendo notícias e é difícil não estar a par do que se fala, mas primeiro quero jogar o Mundial e, quando terminar, eu mesmo publicarei o que vai acontecer no meu futuro - afirmou o jovem meia germânico, em declarações publicadas no jornal alemão TZ.

Ao certo, quem vencer a disputa pelo jogador não só ficará com um grande meia, mas terá em sua equipe o espírito de uma postura exemplar, de uma disciplina invejável e um craque, não perfeito, mas que dá indícios disso a todo momento.

Confira os títulos de Toni Kroos:

- Campeonato Alemão: 2007-08, 2012-13, 2013-14
- Copa da Alemanha: 2007-08, 2012-13, 2013-14
- Copa da Liga Alemã: 2007
- Supercopa da Alemanha: 2010, 2012
- Liga dos Campeões da UEFA: 2012-13
- Supercopa Europeia: 2013
- Mundial de Clubes da FIFA: 2013