icons.title signature.placeholder Luiz Signor e André Santos
icons.title signature.placeholder Luiz Signor e André Santos
09/07/2013
09:35

O destaque da sexta rodada do Campeonato Brasileiro foi o atacante Walter. Ele marcou o gol da vitória do Goiás diante do Vitória e chamou a atenção pela barriga saliente. Nitidamente acima do peso – cujo número exato é "segredo de Estado" dentro do clube –, ele trava luta contra a balança e tem recebido atenção especial no Esmeraldino, da preparação física ao Conselho Deliberativo do clube. Recuperar o atleta e, principalmente, o homem, é uma verdadeira missão no Goiás.

Walter, de 1,78m, tem apenas 23 anos, e seu peso hoje é especulado em 96 Kg. É visto como um talento que pode ser desperdiçado. Vindo do São José-RS, chegou ao Internacional para o time júnior e, participando de oito jogos com um gol, foi campeão da Libertadores de 2010 antes de ir para ao Porto (POR). Lá teve um bom início – tanto que que era cotado para substituir Falcao García – , mas os problemas com o peso vieram, e foi emprestado. Antes de chegar ao Goiás, em 2012, quando se destacou na conquista do título da Série B do Brasileirão, não havia brilhado no Cruzeiro.

O atacante que é visto em campo hoje já é outro jogador. Consciente de sua situação, tem treinado em três períodos em grande parte dos dias, se dedicado e enfrentado uma dieta especial. São cerca de 2,5 mil calorias diárias para ele, enquanto seus companheiros estão liberados para até 4 mil. A primeira meta (são três) para o jogador alcançar se encerra dentro de 12 dias e a expectativa no Goiás é grande, já que a transformação dele é evidente.

Walter demorou para iniciar a temporada por dois motivos: a renovação do seu contrato de empréstimo foi complicada e ele ainda se reapresentou lesionado, pois havia jogada um campeonato de peladas em Recife, sua cidade natal. A origem humilde também é vista como uma das explicações para os excessos do jogador com a alimentação. Quando criança, ele não tinha condições de comer o que gostaria.

– O Walter tem um potencial espetacular, muita qualidade e agora é outro atleta. Talvez tenha acordado, se conscientizado. Ele tem se dedicado de uma maneira diferente desde a intertemporada – revelou Robson Gomes, preparador físico do Esmeraldino, ao LANCE!Net.

O principal aliado do atacante no Goiás é o técnico Enderson Moreira, considerado um pai para o jogador. Ele, que já havia trabalhado com Walter no hoje extinto time B do Internacional, é quem entende a "língua" do artilheiro esmeraldino na temporada com 16 gols.

– A pessoa que ele mais confia no clube é o Enderson. O Enderson trabalhou com ele no Internacional e sabe se comunicar com o Walter. Ele havia estipulado um peso para que o Walter pudesse atuar, mas viu que a motivação dele para emagrecer seria maior atuando. Eles se entendem muito bem – completou Robson.

No Goiás, Walter é o centro das atenções, e o desejo é que ele passe a ser lembrado pelo Brasil apenas pelos gols e como um jovem que não desperdiçou o talento recebido.

COM A PALAVRA
Bruno Pires
Repórter do Diário de Notícias (POR)

Walter fez ruir a possibilidade de substituir Falcao no Porto

Quando Walter chegou a Portugal percebeu-se que era uma excelente alternativa ao Falcao (García, hoje no Monaco), que nessa altura marcava muitos gols, sendo indiscutível no Porto. Walter tinha um excelente rendimento na relação minutos/golos, contudo, nunca conseguiu atemorizar Falcao e, ainda por cima, a sua tendência para engordar era bem visível. Pinto da Costa, o presidente do Porto, chegou a dizer que Walter seria um novo Falcao quando emagrecesse. No Porto existe uma cultura de grande exigência, como não existe em mais nenhum clube em Portugal e talvez na Europa. Walter não percebeu isso. E assim fez ruir a possibilidade de ser o sucessor de Falcao. Qualidade não lhe faltava. Era um verdadeiro goleador.

COM A PALAVRA
Robson Gomes
Preparador físico do Goiás, ao LANCE!Net

Existe um conjunto de fatores trabalhando em prol do Walter

Tem sido feito um esforço muito grande de toda a comissão técnica, departamento de nutrição, fisiologia, médico, físico e fora do futebol. Existe um conjunto de fatores trabalhando em prol do Walter e em prol do Goiás. É claro que essa conscientização depende dele, do momento que ele vive. E esse momento que ele vive é bom desde o ano passado, não pode ser de estagnação. Se o atleta achar que isso está bom e esse ano eu bati nessa tecla com ele e com o Enderson, que do ano passado para cá, ele enfrentou atletas que eram de um nível inferior aos que ele está enfrentando a partir de agora. Nos cinco primeiros jogos do Campeonato Brasileiro, ele sabe as dificuldades que ele teve. Ele teve muita dificuldade, pois enfrentou atletas de nível. Isso mostrou para ele essa ideia, que ele ia enfrentar atletas com condições de atuarem na Seleção. Talvez ele não tenha entendido isso antes da parada (do Brasileirão).

ACADEMIA LANCE!
Turíbio Leite de Barros
Mestre e Doutor em Fisiologia do Exercício

Evidemente, estar acima do peso ideal atrapalha, e muito, o desempenho de um atleta profissional. Ele pode estar acostumado a jogar assim, inclusive pode estar indo bem, mas com certeza estaria jogando muito melhor se estivesse mais leve. Teria mais mobilidade e resistência para jogar uma partida de futebol. Fora a questão do desempenho, estar acima do peso pode ocasionar muitas lesões. O corpo de um atleta profissional é muito mais exigido, que o de uma pessoa que pratica exercícios esporadicamente. Quando se está gordo, os músculos e, principalmente, os joelhos acabam ainda mais exigidos que o normal. Isso pode gerar lesões. Por isso, é inadmissível que o Walter esteja a cima do peso. Ele é um profissional que vive disso. Não pode ter esse desleixo com o corpo. Ele é um jogador bom tecnicamente, que poderia estar jogando muito melhor caso estivesse mais leve. O clube precisa encaixá-lo num treinamento específico e cuidar de sua alimentação para que ele perca peso o mais rapidamente possível.

O destaque da sexta rodada do Campeonato Brasileiro foi o atacante Walter. Ele marcou o gol da vitória do Goiás diante do Vitória e chamou a atenção pela barriga saliente. Nitidamente acima do peso – cujo número exato é "segredo de Estado" dentro do clube –, ele trava luta contra a balança e tem recebido atenção especial no Esmeraldino, da preparação física ao Conselho Deliberativo do clube. Recuperar o atleta e, principalmente, o homem, é uma verdadeira missão no Goiás.

Walter, de 1,78m, tem apenas 23 anos, e seu peso hoje é especulado em 96 Kg. É visto como um talento que pode ser desperdiçado. Vindo do São José-RS, chegou ao Internacional para o time júnior e, participando de oito jogos com um gol, foi campeão da Libertadores de 2010 antes de ir para ao Porto (POR). Lá teve um bom início – tanto que que era cotado para substituir Falcao García – , mas os problemas com o peso vieram, e foi emprestado. Antes de chegar ao Goiás, em 2012, quando se destacou na conquista do título da Série B do Brasileirão, não havia brilhado no Cruzeiro.

O atacante que é visto em campo hoje já é outro jogador. Consciente de sua situação, tem treinado em três períodos em grande parte dos dias, se dedicado e enfrentado uma dieta especial. São cerca de 2,5 mil calorias diárias para ele, enquanto seus companheiros estão liberados para até 4 mil. A primeira meta (são três) para o jogador alcançar se encerra dentro de 12 dias e a expectativa no Goiás é grande, já que a transformação dele é evidente.

Walter demorou para iniciar a temporada por dois motivos: a renovação do seu contrato de empréstimo foi complicada e ele ainda se reapresentou lesionado, pois havia jogada um campeonato de peladas em Recife, sua cidade natal. A origem humilde também é vista como uma das explicações para os excessos do jogador com a alimentação. Quando criança, ele não tinha condições de comer o que gostaria.

– O Walter tem um potencial espetacular, muita qualidade e agora é outro atleta. Talvez tenha acordado, se conscientizado. Ele tem se dedicado de uma maneira diferente desde a intertemporada – revelou Robson Gomes, preparador físico do Esmeraldino, ao LANCE!Net.

O principal aliado do atacante no Goiás é o técnico Enderson Moreira, considerado um pai para o jogador. Ele, que já havia trabalhado com Walter no hoje extinto time B do Internacional, é quem entende a "língua" do artilheiro esmeraldino na temporada com 16 gols.

– A pessoa que ele mais confia no clube é o Enderson. O Enderson trabalhou com ele no Internacional e sabe se comunicar com o Walter. Ele havia estipulado um peso para que o Walter pudesse atuar, mas viu que a motivação dele para emagrecer seria maior atuando. Eles se entendem muito bem – completou Robson.

No Goiás, Walter é o centro das atenções, e o desejo é que ele passe a ser lembrado pelo Brasil apenas pelos gols e como um jovem que não desperdiçou o talento recebido.

COM A PALAVRA
Bruno Pires
Repórter do Diário de Notícias (POR)

Walter fez ruir a possibilidade de substituir Falcao no Porto

Quando Walter chegou a Portugal percebeu-se que era uma excelente alternativa ao Falcao (García, hoje no Monaco), que nessa altura marcava muitos gols, sendo indiscutível no Porto. Walter tinha um excelente rendimento na relação minutos/golos, contudo, nunca conseguiu atemorizar Falcao e, ainda por cima, a sua tendência para engordar era bem visível. Pinto da Costa, o presidente do Porto, chegou a dizer que Walter seria um novo Falcao quando emagrecesse. No Porto existe uma cultura de grande exigência, como não existe em mais nenhum clube em Portugal e talvez na Europa. Walter não percebeu isso. E assim fez ruir a possibilidade de ser o sucessor de Falcao. Qualidade não lhe faltava. Era um verdadeiro goleador.

COM A PALAVRA
Robson Gomes
Preparador físico do Goiás, ao LANCE!Net

Existe um conjunto de fatores trabalhando em prol do Walter

Tem sido feito um esforço muito grande de toda a comissão técnica, departamento de nutrição, fisiologia, médico, físico e fora do futebol. Existe um conjunto de fatores trabalhando em prol do Walter e em prol do Goiás. É claro que essa conscientização depende dele, do momento que ele vive. E esse momento que ele vive é bom desde o ano passado, não pode ser de estagnação. Se o atleta achar que isso está bom e esse ano eu bati nessa tecla com ele e com o Enderson, que do ano passado para cá, ele enfrentou atletas que eram de um nível inferior aos que ele está enfrentando a partir de agora. Nos cinco primeiros jogos do Campeonato Brasileiro, ele sabe as dificuldades que ele teve. Ele teve muita dificuldade, pois enfrentou atletas de nível. Isso mostrou para ele essa ideia, que ele ia enfrentar atletas com condições de atuarem na Seleção. Talvez ele não tenha entendido isso antes da parada (do Brasileirão).

ACADEMIA LANCE!
Turíbio Leite de Barros
Mestre e Doutor em Fisiologia do Exercício

Evidemente, estar acima do peso ideal atrapalha, e muito, o desempenho de um atleta profissional. Ele pode estar acostumado a jogar assim, inclusive pode estar indo bem, mas com certeza estaria jogando muito melhor se estivesse mais leve. Teria mais mobilidade e resistência para jogar uma partida de futebol. Fora a questão do desempenho, estar acima do peso pode ocasionar muitas lesões. O corpo de um atleta profissional é muito mais exigido, que o de uma pessoa que pratica exercícios esporadicamente. Quando se está gordo, os músculos e, principalmente, os joelhos acabam ainda mais exigidos que o normal. Isso pode gerar lesões. Por isso, é inadmissível que o Walter esteja a cima do peso. Ele é um profissional que vive disso. Não pode ter esse desleixo com o corpo. Ele é um jogador bom tecnicamente, que poderia estar jogando muito melhor caso estivesse mais leve. O clube precisa encaixá-lo num treinamento específico e cuidar de sua alimentação para que ele perca peso o mais rapidamente possível.