icons.title signature.placeholder Russel Dias
09/06/2014
09:39

A chegada da seleção mexicana em Santos, na noite de sábado, não foi surpreendente só pela receptividade das pessoas. O carinho da torcida com o atacante Chicharito foi incrível. Tanto brasileiros quanto os próprios mexicanos gritaram apenas o nome dele, o que fez com que o jogador de 26 anos retribuísse as manifestações positivas em forma de autógrafo aos mais eufóricos.

Com os jornalistas não foi diferente, Javier Hernandez atendeu toda a imprensa, fosse mexicanos ou repórteres locais. Ele foi um dos primeiros a passar pela zona mista e foi o último a sair, atendendo a todos e respondendo todas as perguntas. Como não podia ser diferente, ele foi quem mais atraiu as câmeras e microfones.

Questionado sobre todo esse assédio Chicharito revelou certa surpresa mas disse não concordar com todos seus fãs.

- Sou só mais um. Me considero mais um jogador entre os 23. No México não importa seu nome, apelido ou o time que vem. Todos juntos somos mexicanos e queremos fazer história aqui - disse na beira do gramado do CT Rei Pelé.


Euforia a parte, os jogadores de La Tri sabem que para chegar com moral diante da Seleção Brasileira, no dia 17, às 16 horas, no Castelão em Fortaleza, terão que vencer Camarões, na estreia, e para isso os Leões Indomáveis já estão no foco do candidato a craque desta Copa do Mundo.

- É normal perguntarem sobre o Brasil, mas somos respeitosos, e a partida contra Camarões é muito importante e agora a cabeça está 100% neles - afirmou.

A estreia do México na Copa está marcada para o dia 13, às 13 horas, na Arena das Dunas, em Natal (RN).