icons.title signature.placeholder Catlos Alberto Vieira
11/06/2014
05:59

O Centro de Imprensa da Arena da Amazônia foi inaugurado na segunda-feira. Porém, foi nesta terça que o local começou a receber a imprensa. O Media Center segue os padrões técnicos da Fifa para os grandes eventos e é bem parecido com os demais centros espalhados pelas cidades-sede. Um imenso salão com capacidade para 600 jornalistas, mesas com entrada para internet banda larga, área de convivência, local para a retirada do ingressos dos jogos, sempre no dia anterior ao evento. e um corredor exclusivo para ligar o centro ao estádio. O local escolhido foi o sambódromo de Manaus, que fica grudado ao estádio.


Apesar de já estar liberado para ser usado, o Centro estava às moscas. Apenas um grupo de técnicos de uma televisão inglesa aproveitava os confortáveis poltronões e o ar refrigeradodo do salão  para um cochilo e para escapar do calor quase insuportável de 35 graus do "inverno manauara". Um deles até fez uma brincadeira, dizendo que o treinador inglês Roy Hodgson iria achar Manaus bem fresco. Mas isto deve mudar a partir de hoje. No fim da manhã, o governador do Amazonas, José Melo, e o prefeito de Manaus, Arthur Neto, darão entrevista coletiva. Ao menos a imprensa amazonense comparecerá em peso e poderão testar para valer os equipamentos.


Do lado de fora, a falta de sinalização para o centro de credenciamento, que fica próximo ao ginásio que integra o complexo da Arena.  gerou reclamação. Três jornalistas asiáticos, carregando enormes mochilas de camping atulhadas de roupas e equipamentos reclamavam da falta de sinalização até o local da retirada.


- Aqui é um forno e tivemos de dar  a volta inteira no estádio para chegar até aqui e nos credenciarmos. Só aqui em frente tem uma placa. Em frente ao estádio, o cartaz de direção é confuso e estava com o sol batendo nele, mal dava para ler - reclamou um deles em português quase incompreensível.


E eles não sabiam ainda que a fila para o credenciamento estava grande. Afinal, o início da retirada das credenciais para a imprensa escrita começou em Manaus apenas na última segunda-feira. A espera para aguardar ser chamado era do lado de fora, debaixo do sol escaldante, em pé e sem um sombra. Ah, dentro do setor o ar condicionado estava fraquíssimo.