icons.title signature.placeholder Kaíque Ferreira
15/11/2013
15:52

A atitude do São Paulo de pedir o veto ao estádio Moisés Lucarelli para a disputa do segundo jogo da semifinal da Copa Sul-Americana causou indignação na diretoria da Ponte Preta. Conforme o colunista do LANCE! André Kfouri, em post publicada nesta sexta-feira em seu blog, a Conmebol proibiu que a partida fosse realizada no Majestoso.

O presidente do clube campineiro, Marcio Della Volpe, revelou a tentativa frustrada de diálogo com o Tricolor no meio desta semana e a insatisfação com a postura dos dirigentes paulistas. 

- Estive no CT do São Paulo na última quarta-feira. Tentei falar com o Juvenal (Juvêncio, presidente do São Paulo), mas ele não me atendeu. O João Paulo (de Jesus Lopes, vice de futebol) me atendeu. O São Paulo alegou falta de segurança e que eles poderiam tirar o mando de campo - declarou o mandatário, ao LANCE!Net.

- Claramente, fica aqui as insatisfação e indignação de um clube irmão. Ele prefere alegar que há falta de segurança ao bom senso. Mesmo sendo próximo, uma cidade que queria participar do jogo, um estádio bem adaptado, com segurança... mas se o São Paulo acha por bem, vamos entrar em campo para jogar onde for - completou.

Na última semana, o São Paulo encaminhou um ofício à Conmebol para que o jogo não fosse realizado no Moisés Lucarelli, em razão da capacidade mínima exigida pela entidade sul-americana para os confronto, de 20 mil espectadores. De acordo com a Federação Paulista de Futebol (FPF), o Majestoso comporta 18.676 pessoas. 

Antes do veto da Conmebol, a Ponte Preta diz ter enviado por volta das 14h de quinta-feira uma carta onde constam laudo do Corpo de Bombeiros atestando capacidade acima dos 20 mil lugares (o documento também foi publicado no site oficial da equipe campineira), declarações favoráveis de membros da entidade sul-americana que estiveram no estádio nas fases anteriores e teriam atestado as boas condições dele e também alguns apontamentos à regra, que deixariam margem a interpretações inconclusivas.

Della Volpe confirmou que caso não haja possibilidade de mandar o jogo no Moisés Lucarelli a única opção será atuar em Mogi Mirim, no estádio Romildo Ferreira. O presidente descartou qualquer chance de aceitar uma proposta boa financeiramente para jogar em outra cidade ou estado.