icons.title signature.placeholder Bruno Andrade, Eduardo Mendes e Igor Siqueira
16/04/2014
13:51

O presidente do Figueirense, Wilfredo Brillinger, esteve nesta quarta-feira na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), onde aconteceu a eleição, mas abdicou do voto. Depois de terminado o pleito, o dirigente justificou a decisão como pessoal. Mas, na verdade, ele fez isso para que o pleito não corra risco de anulação. O clube catarinense está envolvido indiretamente no imbróglio que colocou o Icasa, a partir de liminar judicial, na Série A.

- Não me senti à vontade. Então, respeitei a eleição e tomei essa decisão de não participar - comentou.

Brillinger contou que foi surpreendido com o desdobramento do caso na noite de terça-feira, já no Rio de Janeiro, quando participou do jantar oferecido por Marco Paulo Del Nero aos eleitores.

- Estive no jantar e foi ali que fui informado sobre a situação. Mas é importante dizer que o Figueirense não está nos autos do processo - disse.

O departamento jurídico do Figueirense já foi acionado e aguarda pelos desdobramentos do caso ao longo do dia. A CBF está tentando cassar a liminar.

- A liminar não tira o Figueirense, mas pede para incluir outro clube. Estou confiante que vamos continuar na Série A porque não saímos - alegou.

O Icasa diz que o clube catarinense escalou de maneira irregular o volante Luan na partida contra o América-MG no confronto pelo turno da Série B, no ano passado. O jogador tinha registro no Figueirense e também no Metropolitano (SC).

- Vencemos esse jogo, foi lá no início da Série B, mas não me recordo detalhes sobre o jogador e a partida - disse o presidente.

A eleição da CBF que teve chapa única foi vencida por Marco Paulo Del Nero, que recebeu 44 votos de 47 possíveis.