icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/04/2014
11:58

O Bahia estreia neste domingo, às 16h00, pelo Brasileirão, na Arena Fonte Nova. O adversário é, logo no primeiro compromisso pela competição, o atual campeão Cruzeiro, credenciado, desde já, ao bicampeonato pela campanha do ano passado.

O Tricolar de Aço, por sua vez, vive situação diferente. Com um elenco mais modesto e orçamento inferior, o clube baiano briga para fazer um Brasileiro "seguro". É essa, ao menos, a opinião do treinador Marquinhos Santos:

- O primeiro conceito que eu passei para a direção e para o grupo de atletas é o de realizar uma competição segura. Sabemos que o Bahia está passando por uma transição, tem algumas dificuldades financeiras, que vem acertando - afirmou ao "Arena SporTV", para depois prosseguir enaltecendo a seriedade com a qual a diretoria encara seus compromissos:

- É um dos poucos clubes que pagam em dia, paga até de maneira antecipada. E isso é importante para o treinador poder realizar um bom trabalho. Mas a gente sabe da realidade e das condições do Bahia. Primeiro, vamos procurar fazer uma competição segura. Somar 46 pontos, e a partir daí nós vamos almejar algo para conquistar com o Bahia – disse, mostrando que o foco inicial é fugir do rebaixamento.

O técnico falou também da dificuldade do Campeonato Brasileiro, o qual, para ele, é muito equilibrado e possui diversas equipes com chances reais de faturar o caneco:

- É o campeonato mais difícil do mundo. Tem 11, 12 equipes com reais condições de conquistar o título. O Campeonato Brasileiro está cada vez mais competitivo.

Marquinhos Santos, apesar de evidenciar que seu time encontrará pedras no caminho para se manter na elite, mostrou também confiança e se disse preparado para o desafio que está por vir:

- O Bahia está preparado, passou por uma reformulação. No estadual não começamos bem, e depois que chegaram alguns reforços, começamos a encaixar a equipe, a qualificar o grupo e isso nos deixou na condição de conquistar o título importante para essa nova diretoria, para a nação que torceu pelo Bahia, e para nós, funcionários e profissionais, que é importante também – concluiu ele.