icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
15/11/2013
13:01

Com o veto do estádio Moisés Lucarelli para a disputa do jogo de volta da semifinal da Copa Sul-Americana, dia 27 de novembro, como antecipou o colunista André Kfouri, o São Paulo irá reviver contra a Ponte Preta situação semelhante ao da final da Libertadores de 2005, quando enfrentou o Atlético Paranaense em estádio "neutro". No título de 2005, a primeira partida da decisão foi no Beira-Rio (estádio do Internacional), em Porto Alegre. Na época, a Arena da Baixada tinha capacidade para até 24 mil pessoas e também foi vetada pela Conmebol por não preencher as exigências do regulamento. O confronto acabou empatando por 1 a 1 e, na volta, no Morumbi, o clube paulista sagrou-se tricampeão continental com uma goleada por 4 a 0. 

É a segunda vez que o tricolor usa o regulamento de um torneio sul-americano a seu favor contra equipes brasileiras. Com isso, a Ponte Preta terá que escolher outra casa para jogar a semifinal da competição. O Romildo Ferreira, em Mogi Mirim, é uma das opções para a equipe campineira.

A diretoria da Ponte Preta tentou um acordo com a direção do São Paulo, porém não obteve sucesso em sua tentativa.

No ano passado, o Tigre (ARG) também teve que alterar o local da final diante do São Paulo para a Bombonera, estádio do Boca Juniors (ARG), na final da própria Copa Sul-Americana. A capacidade do Monumental Victoria, seu estádio, é inferior aos 40 mil previstos para realização da decisão, e por isso não jogou em sua casa.

A primeira partida entre São Paulo e Ponte acontecerá no próximo dia 20, no Morumbi, com mando são-paulino.