icons.title signature.placeholder RADAR / LANCEPRESS!
19/11/2014
07:30

Ao que tudo indica, a polêmica sobre cota de ingressos para visitantes também deve entrar em campo no jogo de volta da final da Copa do Brasil, entre Cruzeiro e Atlético-MG, dia 26, no Mineirão. Após a reunião entre representantes dos clubes que determinou que a torcida atleticana terá direito a 2.276 lugares no setor roxo (cerca de 5% da capacidade do estádio), a cúpula do clube cogitou acionar a Justiça por mais ingressos na partida decisiva:

- O Atlético vai simplesmente exigir o cumprimento do regulamento. Temos prazo para isso. Até três dias úteis antes da partida, se for o caso, faremos a requisição de até 10%. Caso o Cruzeiro não cumpra, o Atlético poderá tomar as medidas desportivas ou judiciais - afirmou o diretor jurídico do Galo, Lásaro Cunha de Morais, à Rádio Itatiaia.

O advogado também repudiou a quantia de R$ 1 mil que o Cruzeiro estipulou para cada ingresso (com 40% de ingressos de meia-entrada a R$ 500).

- Completamente fora de propósito, e descumprindo totalmente o regulamento. O Atlético adotará as medidas tanto em termos percentuais e em relação ao valor.

Procurado, o presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, destacou que, do lado do Cruzeiro, o setor roxo também custará R$ 1 mil (com desconto de 30% para sócio-torcedores). E ironizou a diretoria do Galo:

- Nosso torcedor vai pagar o mesmo preço, com o desconto que a gente permite. Eu daria à diretoria do Atlético-MG a oportunidade de ser sócio-torcedor com a mesma vantagem. Mas não daria tempo hábil para eles conseguirem o desconto nesta final.