icons.title signature.placeholder RADAR / LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder RADAR / LANCEPRESS!
24/08/2015
12:08

Enquanto o Sampaio Corrêa ocupa o G4 da Série B, o clube chegou neste fim de semana ao ápice de um impasse quanto a seu centro de treinamentos. Cerca de um mês após ter o local invadido por um grupo de sem-terras, a cúpula do clube definiu que a equipe deixará de realizar atividades em seu CT, devido à falta de segurança causada pela chegada dos invasores:

- Entendo a situação das pessoas que estão tentando se apropriar do terreno do Sampaio, mas preciso defender os interesses do clube. Trata-se de uma propriedade privada e esse direito precisa ser respeitado. Não tenho dúvidas de que essa motivação, além de financeira, apruma pelo lado político para me atingir - afirmou o presidente do clube, Sergio Frota.

Invasores se instalaram com barracos no CT (Foto: Divulgação)

Devido ao impasse, o clube recorre a outros locais para que o Tricolor maranhense faça seus treinos, além da recuperação de atletas no departamento médico e da concentração. Segundo o mandatário, a atitude drástica ocorreu após a situação tornar-se insustentável:

- A situação chegou a um ponto que já houve até uma morte. Eu lamento muito por esse ocorrido. Mas, é preciso evitar novos fatos desagradáveis, e que se aplique a lei e se garanta o direito à propriedade privada.

O técnico Léo Condé exigiu pulso firme da diretoria do Sampaio Corrêa, e reconheceu que o elenco se sente afetado pela "expulsão":

- É claro que isso atrapalha. Precisamos de uma base, e o CT é a nossa referência. Esperamos que seja encontrada uma posição muito em breve, para que possamos retomar à nossa rotina normalmente, com segurança.

Invasores dentro do CT do Sampaio Corrêa (Foto: Divulgação)

Em nota, a diretoria do Sampaio Corrêa afirmou que buscará judicialmente retomar os direitos sobre seu Centro de Treinamento: "Respaldado pela lei, o clube quer apenas que os seus direitos sejam preservados e o entrave seja resolvido o mais breve possível".

Enquanto o Sampaio Corrêa ocupa o G4 da Série B, o clube chegou neste fim de semana ao ápice de um impasse quanto a seu centro de treinamentos. Cerca de um mês após ter o local invadido por um grupo de sem-terras, a cúpula do clube definiu que a equipe deixará de realizar atividades em seu CT, devido à falta de segurança causada pela chegada dos invasores:

- Entendo a situação das pessoas que estão tentando se apropriar do terreno do Sampaio, mas preciso defender os interesses do clube. Trata-se de uma propriedade privada e esse direito precisa ser respeitado. Não tenho dúvidas de que essa motivação, além de financeira, apruma pelo lado político para me atingir - afirmou o presidente do clube, Sergio Frota.

Invasores se instalaram com barracos no CT (Foto: Divulgação)

Devido ao impasse, o clube recorre a outros locais para que o Tricolor maranhense faça seus treinos, além da recuperação de atletas no departamento médico e da concentração. Segundo o mandatário, a atitude drástica ocorreu após a situação tornar-se insustentável:

- A situação chegou a um ponto que já houve até uma morte. Eu lamento muito por esse ocorrido. Mas, é preciso evitar novos fatos desagradáveis, e que se aplique a lei e se garanta o direito à propriedade privada.

O técnico Léo Condé exigiu pulso firme da diretoria do Sampaio Corrêa, e reconheceu que o elenco se sente afetado pela "expulsão":

- É claro que isso atrapalha. Precisamos de uma base, e o CT é a nossa referência. Esperamos que seja encontrada uma posição muito em breve, para que possamos retomar à nossa rotina normalmente, com segurança.

Invasores dentro do CT do Sampaio Corrêa (Foto: Divulgação)

Em nota, a diretoria do Sampaio Corrêa afirmou que buscará judicialmente retomar os direitos sobre seu Centro de Treinamento: "Respaldado pela lei, o clube quer apenas que os seus direitos sejam preservados e o entrave seja resolvido o mais breve possível".