icons.title signature.placeholder Michel Castellar
04/02/2015
20:22

Com um investimento inicial de R$ 350 milhões, foi instituida nesta quarta-feira na capital fluminense a Comissão Estadual de Segurança Pública e Defesa Civil para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016. A intenção é a de usar o mesmo modelo implementado na Copa do Mundo de 2014, onde os órgãos atuaram de maneira integrada.

Cerca de 30 órgãos, como a Secretaria Estadual de Segurança Pública, a Polícia Federal, além das Forças Armadas formam a comissão, que terá a coordenação da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge).

– Vamos trabalhar com um valor aproximado de R$ 350 milhões, que o governo federal repassará, via Ministério da Justiça, para várias ações, como a compra de equipamentos e capacitação de pessoal – disse o secretário da Sesge, Andrei Augusto Passos Rodrigues.

No valor citado pelo secretário da Sesge não estão incluídos os investimentos que serão feitos diretamente pelo governo do estado. Por exemplo, em 2015, estão previstos R$ 400 milhões para a melhoria da segurança carioca, que indiretamente beneficiarão os Jogos.

Outro investimento não calculado é o relativo à atuação das Forças Armadas. Esses valores ainda não estão definidos.

A Comissão de Segurança se reunirá quinzenalmente. Seus encontros serão realizados no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova.

Os testes da atuação da segurança nos Jogos Rio-2016 terão início ainda neste ano, durante a realização de quatro eventos-testes: remo, triatlo, vela e vôlei de praia.

E as reuniões para o plano de combate ao terrorismo já começaram. Inclusive, na semana passada, os brasileiros se encontraram com representantes da agência americana de combate ao terror.