icons.title signature.placeholder Leo Burlá
01/07/2014
15:05

Enquanto as seleções duelam em campo para avançar de fase na Copa, fora do gramado dois desempregadas batalham para faturar um dinheiro com o Mundial.

Do lado de fora da Fonte Nova, Isac e Rafael oferecem aos turistas pinturas com as cores da equipe de sua predileção. Segundo Rafael, a dupla consegue arrecadar R$ 800 em dias de jogos.

Os dois são unânimes em afirmar que os suíços são os melhores clientes, enquanto os iranianos são os que mais pechincham. O preço do trabalho varia de acordo com a cara do freguês, segundo afirma o próprio Isac:

- Holandês nem vê preço, o cara só quer se divertir. Os suíços também são excelentes. Pintei a cara de um deles, cobrei R$ 50 e ele nem reclamou.

Nesta terça, as expectativas dos dois é que os norte-americanos garantam o bom faturamento.

- Temos de correr atrás, todo dia para alguém que está desempregado é uma batalha dobrada - encerrou Isac.

Bélgica e Estados Unidos fazem o duelo que vale uma vaga nas quartas de final, 17h, na Fonte Nova.