icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
01/04/2014
16:44

No Rio de Janeiro para curtir a cidade e cumprir alguns compromissos com patrocinadores e imprensa, Anthony Pettis concedeu uma entrevista coletiva na tarde desta terça-feira, no Leblon, ao lado de seu irmão Sergio e de seus treinadores Diego e Daniel Moraes. O campeão peso-leve do UFC falou sobre as últimas declarações de José Aldo - que o acusou de "correr da luta entre os dois" -, analisou a experiência que viverá ao ser treinador do The Ultimate Fighter 20 e ainda comentou o duelo contra Gilbert Melendez, que será o técnico adversário no reality show e seu rival em confronto a ser realizado em dezembro.

Ao ser questionado sobre sua resposta às acusações de José Aldo, que o apontou por fugir do confronto entre os dois, Pettis manteve a cautela e se explicou. O americano disse que a lesão sofrida no joelho - que de certa forma impediu o encontro de ambos no octógono - é real e negou estar evitando um duelo com o brasileiro.

- Não é o caso (estar correndo da luta). A lesão aconteceu, é real. Acho que os fãs querem ver essa luta acontecer, eu também. Aldo é um ótimo campeão, um dos melhores do mundo. A luta estava sendo negociada para acontecer, mas não deu certo. Acho que é mais fácil ele subir de categoria do que eu descer de peso. Seria muito difícil pra mim. E ele já bateu todo mundo na categoria dele, então esse é o caminho natural para ele. Quero estar na mesma posição que ele e continuar como campeão, sem abrir mão do cinturão. Não é da minha personalidade correr de luta - se defendeu o campeão.

Anthony ainda revelou que pretende seguir o mesmo caminho de alguns donos de cinturões no UFC: o cinema. Depois de Anderson Silva, Cain Velásquez, Georges Saint Pierre e Ronda Rousey, não será surpresa ver Pettis nas telonas em breve.

- Sem dúvida (é algo que penso em fazer). Meu objetivo é cuidar do meu futuro. Sempre temos de pensar no futuro. Uso o MMA como forma de levantar e projetar meu nome. Espero que trabalhar com isso seja uma possibilidade no futuro. Sou novo, tenho uma longa carreira pela frente, e adoraria fazer filmes. Tenho de cuidar do meu futuro - analisou.

Confira um bate-bola com Anthony Pettis
Você já sentiu o "peso do cinturão", algo que já foi citado por Anderson Silva e Georges Saint Pierre?

Só de meu nome ser mencionado no meio destes caras é demais. É algo muito bom. Chegar ao nível deles é um objetivo que tenho traçado. Ser mencionado junto aos dois é algo muito grande para mim. O cinturão é um fator grande, apesar do pouco tempo, mas sei dessa responsabilidade e estou pronto para os próximos desafios.

Irmão Pettis posam ao lado dos irmãos Moraes (FOTO: Luis Fernando Coutinho)

Como você vê sua luta com Melendez acontecendo?
Melendez é um bom oponente. Não vou lutar do mesmo jeito que ele lutou contra Sanchez. Aquilo foi loucura. Quero lutar tranquilo e acabar logo com a luta. Sou inteligente. Sou muito esperto para me expôr daquele jeito. Tenho muitas habilidades a serem usadas, não preciso lutar daquele jeito. Minhas últimas lutas foram rápidas, acabaram no primeiro round. Meu objetivo é ser quem sou, lutar no meu estilo. Luto diferente da maioria dos caras.

Como é ficar quase um ano parado?
O esporte que escolhemos é o MMA, então seu corpo corre muitos riscos. Há muitas consequências. Lesões acontecem, faz parte. Terei um tempo fora, mas quando voltar estarei 100% preparado.

Qual sua expectativa para ser treinador do TUF que pela primeira vez terá apenas mulheres?
É a primeira temporada só de mulheres, então será demais. Diego (Moraes) vai me ajudar, ele lida bem com mulheres (risos). Abrir uma nova categoria para elas será especial. Veremos muitas garotas espertas, tentando ser como os maiores nomes do esporte. Não sei como será lidar com elas. É interessante. Sei que elas são emocionais (risos). Sou próximo da minha mãe, então acho que vou saber lidar bem com tudo isso.

Por quê Nate Diaz tem sido seu alvo?
Nate é um mistério. Ele fala muito através da mídia, fala muito no meu nome e não está longe da chance pelo titulo. Ele fez isso ser pessoal. Para mim, é uma luta pessoal e acho que os fãs querem ver isso também. Eles dizem que a academia deles tem o número um (Melendez) e o número dois (Nate Diaz) do mundo nos leves. Vamos descobrir se isso é verdade muito em breve.

Como será conviver na mesma casa que Nate e Nick Diaz?
Não estou preocupado com eles, podem falar o que quiserem. Sou pago para lutar. Isso só será bom para a audiência, para os números de TV.

Qual foi seu sentimento ao ser cercado por crianças em um projeto social em Paraíba do Sul?
Foi uma experiência incrível ver como eles são fãs de verdade. Foi demais ver o sorriso no rosto deles. Me senti como o presidente lá (risos). Quero voltar lá, fiquei surpreso, sei como o esporte cresce no Brasil.