icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
18/12/2013
06:03

O Santos está pessimista quanto ao sonho de repatriar o meia Diego, de 28 anos de idade. O Comitê de Gestão do clube entende que o negócio é caro e difícil de ser concretizado. A diretoria ainda não desistiu da transferência, mas espera que o próximo passo nas tratativas seja dado pelo atleta ou pelo Wolfsburg, clube alemão que tem contrato com ele até o meio de 2014.

Um cartola do clube ouvido pelo LANCE!Net afirmou que "a bola está com Diego". O Peixe espera que ele manifeste o desejo de voltar à Vila e, assim, force os alemães a liberarem-no por um preço menor do que o estipulado no início das conversas: 4 milhões de euros (aproximadamente R$ 12,8 milhões).

O salário do meia é alto, mas o Santos aceitaria bancá-lo caso Diego conseguisse sair de graça do Wolfsburg. O Peixe aceitou pagar até R$ 550 mil mensalmente ao ex-Menino da Vila, além de luvas de R$ 5 milhões parceladas em três anos, tempo do vínculo que seria assinado.

Do lado do atleta, as negociações são conduzidas por Djair Cunha, pai e empresário do meia. A diretoria santista já se reuniu algumas vezes com ele, mas reclama de sua postura. Os cartolas afirmam que Djair é inconstante, pede muito e volta atrás em decisões que já havia tomado. A reportagem do LANCE!Net tenta contato com o pai e agente de Diego há cerca de um mês, mas ele se recusa a atender.

As correntes contrárias à contratação de Diego no Santos afirmam que o negócio não vale a pena porque o clube pagaria um preço muito alto para o camisa 10 disputar apenas o Campeonato Paulista no primeiro semestre. Tais pessoas argumentam que o melhor a se fazer é assinar um pré-contrato, para que ele volte ao Peixe após a Copa do Mundo.

Se não conseguir contratar o meia do Wolfsburg, o Alvinegro fará ainda mais esforço para manter o meia Cícero, que está emprestado até o fim de 2014, mas tem diversas propostas do Brasil e do exterior.