icons.title signature.placeholder Renato Rodrigues e Rodrigo Vessoni
22/04/2014
07:02

Foram apenas 90 minutos. Mas o suficiente para mostrar serviço em sua estreia com a camisa do Corinthians. Se Petros surpreendeu pela personalidade dentro de campo contra o Atlético-MG, no domingo, no empate por 0 a 0, em Uberlândia, em jogo válido pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro, fora dele o meia de 24 anos de idade não é tão diferente.

No jogo, foi um dos melhores em campo. No Timão, de acordo com os números do Footstats, foi de longe o jogador mais acionado em campo. Desarmou, finalizou, passou com precisão... Deu a dinâmica necessária ao meio de campo alvinegro.

– Para continuar jogando no Corinthians, eu preciso manter estes números lá em cima. Tenho que desarmar, passar bem, finalizar a gol... Tudo isso cada vez mais. Sou um jogador que gosta de jogar para o time – afirma ele, ao LANCE!Net.

Internamente, no entanto, a personalidade de Petros não é vista com tanta surpresa. Desde que chegou, dá sinais de confiança e a certeza de que não afinaria quando a chance caísse em seu colo. Além do bom desempenho nos treinos, estas características fizeram a diferença na hora de ser o escolhido para a vaga de Renato Augusto.

A primeira mostra do tamanho de sua personalidade veio ainda no Penapolense, clube no qual destacou-se no Campeonato Paulista deste ano.

Nas quartas de final contra o São Paulo, o meia convenceu o elenco a não fazer uma mala de viagem pequena. Acreditava tanto na classificação no Morumbi que afirmou que a estadia na capital paulista seria ainda maior. Não deu outra. Quatro dias depois, enfrentou o Santos na Vila Belmiro. Narciso, seu técnico na equipe de Penápolis, falou mais sobre sua passagem ao LANCE!Net (veja mais abaixo).

Já no Corinthians, Petros voltou a depositar confiança em si mesmo durante sua apresentação oficial. Segundo pessoas próximas ao jogador, ele nem mesmo queria conceder entrevista coletiva para os jornalistas. Não por vergonha ou timidez. Dizia que não faz sentido responder perguntas para a imprensa antes de "falar dentro de campo".

E a resposta que ele tanto queria dar veio em alto e bom som.

VEJA UM BATE-BOLA EXCLUSIVO COM PETROS

Imaginava ganhar uma chance como titular tão cedo?
Desde que cheguei, trabalhei muito. Coloquei na cabeça que só assim conseguiria espaço. Cheguei muito focado no Corinthians para poder desempenhar meu papel da melhor maneira possível. É isso que tenho de continuar fazendo.

E te surpreendeu ir tão bem no seu primeiro jogo?
Sei que no Corinthians a gente tem de fazer o melhor sempre, então eu tenho que estar sempre focado nisso. Foi um ótimo jogo, me senti bem, mas foi só o começo. Preciso continuar ajudando o time e manter a mesma linha.

Quando e como soube que seria titular? O que o Mano te disse?
Não teve conversa antes. Foi quando ele armou o time no treino de sábado mesmo. Ele me falou junto de todos que eu seria titular.

Ele te elogiou publicamente. Te disse algo após a partida?
Não houve conversa, mas eu soube. Muitos amigos me ligaram, contando que o Mano havia falado. Fiquei muito contente. Uma boa primeira impressão me possibilita a continuar tendo oportunidades e firmando meu espaço no elenco.

COM A PALAVRA
Narciso, técnico de Petros no Penapolense, ao LANCE!Net

"Isso (boa estreia e elogio de Mano) não me surpreende porque conheço o Petros. E tenho certeza que ainda mostrará mais com a camisa do Corinthians. O torcedor espera isso dele e, pelo que eu conheço desse jogador, tem potencial para melhorar. Petros é um terceiro homem de meio de campo, que pode até ser um quarto por ali, tem técnica e sabe conduzir o jogo. Vejo com um caminho bom pela frente, com potencial para crescer.

Fora de campo ele é mais tímido mesmo, é o jeito dele, mas dentro de campo o Petros tem personalidade e vontade. O Jadson será ajudado com sua presença, porque terá mais liberdade para criar".