icons.title signature.placeholder Leo Burlá
icons.title signature.placeholder Leo Burlá
10/07/2013
17:31

Um jantar no apartamento do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), na noite da última terça-feira, em Brasília, reuniu diversos deputados federais em torno do presidente do Comitê Organizador Local da Copa (COL) e da CBF, José Maria Marin.

No encontro, os parlamentares e o cartola alinharam as bases do Proforte, novo programa federal voltado para o perdão de dívidas de clubes e entidades esportivas. A ideia é que o projeto seja uma Medida Provisória (MP), e não um Projeto de Lei (PL). A manobra faria com que o tema não  passe pela Comissão de Turismo e Desporto (CTD), presidida por Romário, notório opositor de Marin. Uma minuta do texto foi apresentada por Vicente Cândido (PT-SP), que também foi relator da Lei Geral da Copa.

Com a MP, a matéria seria votada no Plenário da Câmara, e a tendência é que o governo indique um relator da base aliada.

- A ideia é fecharmos isso até agosto. Vamos buscar pesar os prós e os contras e ouvir opiniões de todos os lados, inclusive do Romário, que é um adversário da CBF. A Câmara não pode imaginar que não pode contribuir com o futebol brasileiro - disse Jovair Arantes, em entrevista ao LANCE!Net.

Quando informado do encontro, o deputado Romário (PSB-RJ) demonstrou surpresa, mas não perplexidade com o movimento da bancada da bola. Para o ex-jogador, que é contra o perdão das dívidas, o tema é de interesse da sociedade civil, e a aprovação do Proforte representaria, na verdade, um passo no projeto de perpetuação de poder de Marin e Marco Polo Del Nero.

- Eles vão querer aprovar isso no peito. Não passar pela Comissão não é um ato contra mim, mas contra a população. A CBF é corrupta, e o Marin é um dos maiores ladrões do Brasil - disparou Romário ao L!Net.

As reuniões informais desse grupo, que também inclui o vice da CBF, Marco Polo Del Nero, e Vandenbergue Machado, diretor de Assessoria Parlamentar da CBF,  têm sido cada vez mais frequentes, mas nunca ocorrem no ambiente do Congresso. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, já participou das reuniões.

Um jantar no apartamento do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), na noite da última terça-feira, em Brasília, reuniu diversos deputados federais em torno do presidente do Comitê Organizador Local da Copa (COL) e da CBF, José Maria Marin.

No encontro, os parlamentares e o cartola alinharam as bases do Proforte, novo programa federal voltado para o perdão de dívidas de clubes e entidades esportivas. A ideia é que o projeto seja uma Medida Provisória (MP), e não um Projeto de Lei (PL). A manobra faria com que o tema não  passe pela Comissão de Turismo e Desporto (CTD), presidida por Romário, notório opositor de Marin. Uma minuta do texto foi apresentada por Vicente Cândido (PT-SP), que também foi relator da Lei Geral da Copa.

Com a MP, a matéria seria votada no Plenário da Câmara, e a tendência é que o governo indique um relator da base aliada.

- A ideia é fecharmos isso até agosto. Vamos buscar pesar os prós e os contras e ouvir opiniões de todos os lados, inclusive do Romário, que é um adversário da CBF. A Câmara não pode imaginar que não pode contribuir com o futebol brasileiro - disse Jovair Arantes, em entrevista ao LANCE!Net.

Quando informado do encontro, o deputado Romário (PSB-RJ) demonstrou surpresa, mas não perplexidade com o movimento da bancada da bola. Para o ex-jogador, que é contra o perdão das dívidas, o tema é de interesse da sociedade civil, e a aprovação do Proforte representaria, na verdade, um passo no projeto de perpetuação de poder de Marin e Marco Polo Del Nero.

- Eles vão querer aprovar isso no peito. Não passar pela Comissão não é um ato contra mim, mas contra a população. A CBF é corrupta, e o Marin é um dos maiores ladrões do Brasil - disparou Romário ao L!Net.

As reuniões informais desse grupo, que também inclui o vice da CBF, Marco Polo Del Nero, e Vandenbergue Machado, diretor de Assessoria Parlamentar da CBF,  têm sido cada vez mais frequentes, mas nunca ocorrem no ambiente do Congresso. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, já participou das reuniões.