icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
13/04/2014
09:37

Algo incomum aproxima Grêmio e Internacional. A dupla gaúcha tem dois estrangeiros como principais jogadores. Dois estrangeiros que vergam a tarja de capitão no braço. Dois argentinos, em pleno Brasil, sonham com levantar a taça do Campeonato Gaúcho neste domingo, às 16h, no Centenário. Um já tem vasta experiência. E outro procura o primeiro título no Rio Grande do Sul.

A situação não é comum. No Brasil, a maiora dos capitães são jogadores que tem bastante tempo de clube - e brasileiros. No Flamengo, Léo Moura. No Fluminense, Fred. No Botafogo, Jefferson. No Vasco, Guiñazú é um gringo que tem a faixa. Em São Paulo, os capitães são Rogério Ceni, no São Paulo, Edu Dracena, no Santos - Arouca, enquanto o zagueiro está machucado -, Fernando Prass, no Palmeiras, e Ralf no Corinthians. No Inter, D'Alessandro. No Grêmio, Barcos.

Os dois argentinos vivem situações diferentes. D'Alessandro já está há cinco anos no clube - completa seis em agosto - e tem experiência em levantar taças. É tetracampeão gaúcho e ganhou a Libertadores. No entanto, este último ainda não era o capitão da equipe.

- O D'Alessandro é um jogador fora de série, é um líder. Não é comum um jogador estrangeiro ser capitão, o que dá a ideia da importância dele - comentou Abel Braga, quando da sua apresentação no Inter, em dezembro do ano passado.

Por outro lado, Barcos é referência no Grêmio. O camisa 9, com Zé Roberto, orienta os mais jovens do elenco. É voz ativa nos treinamentos - principalmente nos recreativos, quando os xingamentos são normais, em tom de brincadeira. O argentino é o artilheiro na temporada, com 14 gols. Mas desde que chegou ao Tricolor, no ano passado, não teve a oportunidade de ser campeão.

- É uma responsabilidade muito grande (ser capitão de um time brasileiro). Espero que a gente possa levantar alguma taça - disse Barcos na zona mista do Colosso do Parque, onde o Grêmio enfrentou o Newell's Old Boys, pela Libertadores.

O duelo começa a partir das 16h deste domingo. O Inter tem a vantagem por ter vencido por 2 a 1 na Arena - sem gol de D'Ale, que contabiliza sete contra o rival, mas com gol de Barcos. O Grêmio precisa vencer por dois gols de diferença para reverter a vantagem.