icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci e Russel Dias
03/03/2014
08:00

O futebol ofensivo e o ataque avassalador do Santos, o melhor do Campeonato Paulista, têm empolgado os torcedores alvinegros e rendido elogios ao técnico Oswaldo de Oliveira. No entanto, o treinador também conseguiu dar uma importante característica à equipe que tem passado quase desapercebida. Ele transformou o Peixe em um time pegador, sendo o que mais rouba bolas no Estadual.

Segundo números da parceria LANCE!/Footstats, o Santos rouba em média 32,2 bolas por partida.

Apesar de adotar uma formação tática ofensiva, com três e até quatro atacantes, Oswaldo cobra empenho defensivo de todos os atletas. Além disso, exige pressão constante quando a equipe não tem a bola, a fim de recuperá-la o quanto antes. Um efeito colateral disso é que o Peixe se tornou o mais faltoso do campeonato, com média de quase 19 infrações por confronto.

– O que é passado para a gente é fazer a marcação forte, mas sem falta. Só que é inevitável roubar a bola e, às vezes, parar o jogo. Somos orientados a chegar só na bola e pegar o contra-ataque, trabalhamos para isso – afirmou o lateral-direito Cicinho, jogador que mais cometeu faltas pelo Alvinegro no Paulista, com 27 infrações em 11 partidas.

Se Cicinho é o mais faltoso, na lateral oposta está o maior ladrão de bolas do Santos, o chileno Mena. Ele conseguiu superar os volantes e zagueiros da equipe e tem média de 5 desarmes por duelo em 2014.

O estilo pegador gera frutos, já que o time só levou nove gols na competição, sendo que quatro deles foram apenas no jogo contra a Penapolense. Porém, quem “morde” mais, também sofre mais punições. O Peixe é o quinto mais amarelado, com 31 cartões recebidos.