icons.title signature.placeholder João Pires
10/12/2013
11:00

O retospecto do Brasil nos 100m borboleta nas principais competições de natação não tem sido satisfatório nos últimos anos, sem medalhas em Olimpíada ou Campeonato Mundial. Um jovem do estilo, porém, parece estar disposto a mudar este histórico.

Pedro Vieira, de 18 anos, é cercado por números que mostram que o futuro brasileiro no estilo está para mudar. Este ano, ele foi vice-campeão nos 100m borboleta do Mundial Júnior, em agosto, em Dubai.

Na ocasião, Pedro teve o tempo de 53s17 na prova, o que seria suficiente para vencer nas outras edições da competição, com exceção de 2008. Com 18 anos, o tempo dele ainda está longe do que tinha o lendário Michael Phelps, que com a mesma idade marcou 51s10 na mesma prova, no Mundial de 2003.

A marca, porém, é apenas um pouco inferior ao que tinha Ian Crocker, ex-recordista mundial, aos 18 anos (52s44) e surpreende por ser superior ao tempo do sul-africano Chad Le Clos, atual campeão mundial dos 100m borboleta, que com a mesma idade tinha 53s31 como melhor marca, obtida na Olimpíada da Juventude de 2010.

Ciente da comparação, ele se diz capaz de alcançar o patamar de Le Clos, mas mantém a cautela.

- Só de ser comparado com o Le Clos eu já fico lisonjeado. Mas com 18 anos, isso pode dizer muita coisa ou não. Muitos jovens começam bem e não ingrenam depois no profissional. Sei que não é à toa que estou sendo comparado com o Le Clos. Eu posso chegar aonde ele chegou - disse Pedro, ao LANCE!.

Pedro ainda pode contar com um catalisador para chegar à Olimpíada de 2016: a carência brasileira nos 100m borboleta. No Mundial deste ano, em Barcelona, Thiago Pereira, que não é especialista no estilo, foi quem nadou na prova.

- É uma prova em que o Brasil não tem muitos nomes e para uma vaga olímpica isso me facilita bastante - encerrou Pedro Vieira.

Pedro Vieira foi vice-campeão mundial júnior este ano, em Dubai (Foto: Satiro Sodré)

Mais um título no cardápio de Pedro Vieira

Pedro Vieira vem de mais uma conquista importante. Na última quinta-feira, ele venceu os 100m borboleta do Campeonato Brasileiro Júnior, na piscina do Botafogo, no Rio de Janeiro, ao marcar 54s16. Na edição de 2012 do torneio, ele também venceu a prova e com direito a recorde na categoria júnior ao registrar o tempo de 53s97.

O início da carreira de Pedro nas piscinas, porém, não foi com o nado borboleta. Hoje destaque no estilo, ele deu suas primeiras braçadas no nado de costas e somente depois optou pela mudança:

- Começei com o nado costas, mas sem destaque. Na transição para o júnior eu comecei a nadar borboleta e aí foi muito rápido para alcançar destaque. Agora se eu for alcançar algo será no borboleta.

BATE-BOLA
Pedro Vieira
Vice-campeão mundial júnior nos 100m borboleta

Como decidiu iniciar os treinos na natação?
Assim como bastante gente na natação, eu comecei a praticar por causa de uma indicação médica. Eu tinha apenas quatro anos, mas sofria com asma e rinite.

Ainda existe a possibilidade de você trocar de nado?
Quando eu mudei do costas para o borboleta eu ainda era novo, então a transição é mais fácil. Agora, com meus resultados no borboleta, não tem mais como trocar.

Até que ponto a carência de nadadores nos 100m borboleta pode facilitar o seu caminho?
Ajuda para conseguir uma vaga na Olimpíada. Mas, eu preciso pensar em cenário mundial, e nesse caso isso não faz diferença, pois lá fora tem muitos grandes nadadores.

Após esses bons resultados, você já tem algum sonho?
Meu sonho é conquistar uma medalha olímpica. Sendo atleta de uma modalidade olímpica, não tem como fugir disso, é o sonho de todos. Mas eu não vou me cobrar para 2016 e não vou ficar triste se eu não conseguir me classificar. Em 2020 e 2024 eu já vou me cobrar, preciso estar nestas duas Olimpíadas.

JOGO RÁPIDO
Livro: "Difícil, nunca fui de ler muito, lia mais na escola. Mas, tenho vontade de ler Percy Jackson e Harry Potter."
Filme: "Era uma vez, é difícil dizer apenas um, mas esse eu gostei muito."
Comida: "Filé à parmegiana, preparado pela minha mãe."
Ídolo no esporte: "Michael Phelps. Sendo um nadador, é muito dificil não ter ele como um ídolo."
Um dia marcante no esporte: "Não lembro a data exata, mas foi no Rio de Janeiro, quando eu nadei para 53s e fui recordista nacional (53s97) no Campeonato Brasileiro Júnior de 2012. Foi ali que eu garanti a minha vaga para o Mundial Júnior."
Como me vejo em 2016: “Eu me vejo em condições de nadar em nível internacional, não me cobro muito, mas acho que tenho potêncial de estar em uma final”