icons.title signature.placeholder Fabricio Crepaldi e Thiago Ferri
25/11/2013
09:43

Muitos torcedores consideram que o Palmeiras se deu muito bem na troca de Barcos, pelo desempenho ruim do argentino no Grêmio e pelo bom ano que Leandro e Vilson tiveram no Verdão. Porém, ainda é uma incógnita se essa "vantagem" seguirá em 2014.

Isso porque, enquanto o Pirata tem vínculo de mais dois anos com o Tricolor Gaúcho, nenhum dos quatro palmeirenses – Rondinelly e Léo Gago são os outros – está garantido no próximo ano. E as negociações estão "cruas" após conversas iniciais entre as partes.

O caso mais emblemático é o de Leandro. Artilheiro do time no ano, com 19 gols, o atacante caiu nas graças da torcida e foi o grande nome do ataque. A negociação parece fácil, já que o Palmeiras tem a prioridade para renovar. Mas a tendência é que não seja tão tranquilo fazer o acerto de acordo com representantes do atleta.

O camisa 38 recebe cerca de R$ 40 mil por mês, o menor salário entre os titulares da equipe. Para ficar, pedirá um bom aumento, sobretudo pelo que fez no ano. O clube já avisou que quer segurá-lo, mas ainda não fez proposta. Na única reunião entre a direção e seus representantes, não se falou na parte financeira. Embora já tenha deixado claro o desejo de permanecer, ele já recebeu sondagens e, caso não se acerte com o Palmeiras, poderá não ficar para o centenário.

O caso de Vilson é semelhante. Ele tem contrato até dezembro e, nas primeiras conversas, em outubro, disse à diretoria que também vai querer um aumento. Desde então, não foi mais procurado. Seus representantes esperam resolver o caso nesta semana, mas o Palmeiras não pretende aumentar muito os seus vencimentos.

Léo Gago ainda não foi procurado para nada. O Palmeiras também tem a preferência unilateral para renovar, mas não deu nenhum sinal ao atleta e nem ao Grêmio. A vontade dele é ficar (veja mais abaixo). Já Rondinelly é o único com futuro definido: não ficará no próximo ano, já que só fez três partidas em 2013.

VEJA UMA ENTREVISTA EXCLUSIVA COM LÉO GAGO:

LANCE!Net: Já recebeu algum contato da diretoria para renovar o contrato?

LÉO GAGO: Ainda ninguém conversou comigo. Meu desejo é de ficar, por isso eu disse que queria fazer um grande ano e permanecer por mais tempo aqui. Agora deixo nas mãos de Deus para definir meu caminho.

L!Net: Você conversa com os outros ex-gremistas sobre essa situação?

LG: Queremos ficar, conversamos disso. Saímos para jantar esses dias e estávamos falando sobre quem ficaria, eu disse que tinha muita vontade de ficar no clube. Espero que a diretoria pense no meu caso com carinho, porque eu quero muito ficar. O ano que vem será importante demais e quero fazer parte disso. Mas não depende só de mim agora, tenho de trabalhar até o último dia do meu contrato para conquistar a todos e ficar mais um ano.

L!Net: Qual o balanço que você faz da sua passagem pelo Palmeiras?

LG: Não foi isso que eu queria quando saí do Grêmio. Planejei fazer um grande ano no Palmeiras, com grandes jogos para conquistar a todos e mostrar o motivo de eu ter vindo. Mas isso (lesão) é coisa que acontece no futebol, agora é esperar e ver o final de ano o que vai acontecer, se eu volto ou fico aqui.

L!Net: O que você viu de melhor no Palmeiras desde que chegou?

LG: Desde o presidente ao faxineiro, todos são iguais e não tem diferença. Somos unidos, todos brincamos com todos, a comissão dá essa liberdade para ser uma família. Eles são fantásticos, Gilson é um grande treinador e a comissão também. Foi muito gratificante conquistar o título e estar com esse grupo. Aqui o ambiente é alegre e tranquilo.