icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
11/11/2014
16:29

O futuro de José Aldo no UFC ainda é uma incógnita. Isso porque depois de manter o título dos penas do Ultimate pela sétima vez com uma vitória histórica contra Chad Mendes, no último dia 25 de outubro, no Maracanãzinho, o brasileiro aguarda uma posição da organização quanto a seu próximo desafiante, uma vez que os dois nomes mais bem cotados (Cub Swanson e Conor McGregor) têm compromissos marcados com outros adversários.

Na coletiva pós-UFC 179, Aldo chegou a dizer que "grandes lutas podem ser ótimas para o bolso". Em entrevista ao LANCE!Net, André Pederneiras, treinador e empresário do campeão, concordou que McGregor seria o nome mais indicado dentro de tal filosofia, mas ressaltou que apenas em termos de promoção e vendas de pay-per-view..  

- Acho que sim (McGregor é o melhor nome para Aldo "fazer dinheiro"). Nessa categoria não vejo outro lutador melhor do que ele para fazer isso em termos de promoção. Não é que eu o veja como o melhor atleta, mas vejo ele como o melhor atleta para promover a luta - explicou o líder da Nova União, equipe do lutador.

Apesar da opinião, o técnico do campeão explicou a real posição de ambos quanto ao futuro no Ultimate. Segundo Dedé, ele e Aldo seguem à espera da organização para tomar uma decisão depois que os pretendentes se apresentarem. 

- Na verdade, a gente fica vendo de fora, esperando o que vai ser ofertado pra gente começar a ver como vai acontecer. Não temos uma decisão por um ou por outro. A gente acha que pela quantidade de lutas que o McGregor fez, tem gente que está a mais tempo ali e merecia uma disputa antes. Mas a gente acha também que o McGregor seria uma grande luta, até pela maneira como ele promove as lutas. No final das contas, o que vier está bom - avaliou.

Aldo já defendeu o cinturão dos penas por sete vezes (FOTO: Alexandre Loureiro/Inovafoto)

O treinador ainda revelou que o campeão dos penas iniciará uma fase intensa de fisioterapia para se recuperar de uma hérnia cervical que o atormenta há muitos anos. Ainda não é possível prever uma data para retorno.

- O Aldo tem uma hérnia cervical, algo que a maioria dos atletas de jiu-jitsu e wrestling tem. É algo que ele tem desde a época em que competia no jiu-jitsu. Quanto mais forte o treinamento, a tendência é que ele sinta. A gente sempre começa um camp de três meses. O primeiro mês é basicamente só fortalecenco todas as articulações e principalmente a cervical; no caso, preparando para o que virá de duro nos treinos. É sempre assim que temos feito. Na primeira data marcada, em agosto, ele tomou uma queda e se machucou, sentindo a paralisia no braço. Ele tem uma parilisia que vai para um lado ou outro. Fica sem força. Conversamos com os médicos e decidimos que ele vai ter que parar agora, entrar na fisioterapia até se recuperar e treinar novamente. Não tem previsão para a volta. O Aldo está numa fase agora de descansar, vem período de festas aí... Pode ser meio do ano, não sei ainda - finalizou.