icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/03/2014
14:31

Alegria brasileira no Bellator 113, disputado na última sexta-feira, em Kansas (EUA), Patricky Pitbull fez sua estreia em 2014 com o pé direito. Com uma ótima atuação, ele nocauteou o norte-americano David Rickels e avançou às semifinais do GP dos leves da organização. Desde de 2011 no Bellator, o potiguar alcançou sua segunda vitória consecutiva e a quinta dentro do evento.

Feliz com o resultado positivo, o atleta falou sobre a importância de voltar a vencer de forma convincente. Na sua opinião, o fato de entrar como azarão o motivou a mostrar que ainda tem muita lenha para queimar e incomodar os melhores da categoria.

- A vitória foi muito importante para mim, porque tive um ano de 2013 complicado, inclusive com uma lesão no joelho. Venci uma luta antes do fim do ano, mas não foi uma vitória tão expressiva quanto a organização gostaria. Acho que me colocaram nesse GP para perder, estavam falando muito que eu era o azarão, que não estava mais me apresentando bem e que não era mais aquele Patricky Pitbull de tempos atrás, mas pude provar o contrário. Mostrei quem eu sou e eles têm que me respeitar - declarou.

Há quase três anos sem saber o sabor do nocaute - a última vitória por nocaute havia sido em abril de 2011 contra Toby Imada -, Pitbull falou sobre a expectativa gerada em torno disso e de como os treinamentos em Natal (RN) foram úteis para seu 12º resultado positivo na carreira.

- Muita gente estava me cobrando esse nocaute, mas não é tão fácil quanto parece. Eu sempre entro pensando em vencer e acabar a luta rápido, mas a galera também tem que entender quando a luta vai para os pontos. Quando você começa uma carreira internacional com vários nocautes, é isso que as pessoas esperam e querem ver de você, mas por vezes essa pressão acaba atrapalhando. Meu adversário falou muita besteira, mas não senti raiva dele, acho que meu treinamento em Natal (RN) foi fundamental para me despertar novamente e conseguir esta grande vitória - afirmou.

Focado em seus próximos passos, o lutador se mostrou tranquilo em relação aos seus próximos adversários, disse estar preparado para enfrentar qualquer um e empolgou com uma possível chegada da organização norte-americana ao Brasil.

- Estava me preparando mentalmente para enfrentar o Derek Anderson, mas estou pronto para encarar quem vier. Se estou no GP não posso escolher adversário e vou estar preparado para qualquer coisa. O Bellator vem comentando há muito tempo que viria para cá (Brasil), tenho a pretensão de lutar no Nordeste. Tenho certeza que se os gringos viessem lutar aqui, principalmente em Natal (RN), iriam “passar mal” com tanta pressão. Essa energia do público brasileiro faz a diferença - comentou.

Para finalizar, Patricky Pitbull fez questão de enaltecer o trabalho realizado por seu irmão Patricio Pitbull em sua preparação. Para o peso leve, o irmão mais novo, que é uma das estrelas do Bellator na atualidade, deu todas as dicas necessárias para que ele se saísse bem dentro do cage circular.

- A presença do Patrcio no meu treinamento é muito importante. Ele está sempre me ajudando, às vezes ele é bem chato (risos), mas sei que ele faz isso porque quer o meu melhor e pretende extrair todo meu potencial. Isso é ótimo para mim.
O Patricio fala sempre a verdade, até quando eu estou bem ele não elogia, só diz que evoluí um pouco. Mas, antes da luta, ele me passa todo o apoio e diz que estou pronto. Essa sinceridade me motiva e tenho plena confiança nele - concluiu.