icons.title signature.placeholder Thiago Ferri
15/03/2014
07:08

Pensando em poupar os atletas mais cansados, o técnico Gilson Kleina não divulgou o time que enfrenta neste sábado, às 16h, a Ponte Preta, no Pacaembu, com transmissão em tempo real pelo LANCE!Net. Patrick Vieira, porém, não quer saber de descanso agora.

Titular nas últimas três partidas, o camisa 21 considera que só agora seu ano começou. Os primeiros meses de 2014 não foram os ideais para o meia-atacante.

Após voltar da passagem no Yokohama (JAP), o jovem realizou pré-temporada mais longa para corrigir um desequilíbrio muscular e não conseguiu espaço. Além disto, teve seu carro roubado e admitiu ter ficado cabisbaixo.

– O ano não estava sendo bom, complicado... Fiquei treinando parte física para melhorar porque machuquei no Japão, depois teve isto (roubo do carro), mas botei na cabeça que o ano ia melhorar e as coisas iam mudar. Agora, jogando, só alegria – resumiu o atleta, ao L!.

Apoiado em sua família, Patrick fez sua estreia no 11 jogo do Verdão no ano. Desde então, passou a atuar como gosta, pelo lado direito, e até fez um gol, no último domingo. A fase, agora, é outra para ele.

– Tenho feito o que o Kleina pede, feito jogadas, ido para cima, recompondo na marcação. Foi a vontade, determinação, e no momento que apareceu a chance tive que aproveitar da melhor forma – disse o jogador, explicando os motivos para a atual sequência na equipe.
Uma das principais apostas recentes da categoria de base alviverde, Patrick tem como um de seus trunfos o apoio da torcida – sentimento recíproco, segundo ele.

– A relação é boa porque sou um cara que se esforça, me dedico ao máximo, por isto acho que tenho é assim. Só tenho a agradecer. Espero continuar alegrando a todos.

Por enquanto, os palmeirenses assistirão ao camisa 21 ao menos até dezembro, quando termina seu contrato. Em negociações travadas desde o ano passado com o clube, o jogador evita falar sobre o tema, mas mostra sua vontade de continuar por mais tempo no Palmeiras, que ele já disse “amar de paixão”. Ao ser perguntado se era possível imaginar-se no elenco para 2015, o atleta evitou rodeios: “dá sim”.

– Agora não me imagino fora daqui, porque gosto do clube, o ambiente bom, e creio que este time vai buscar coisas boas lá na frente.