icons.title signature.placeholder VINÍCIUS PERAZZINI
24/06/2014
08:33

Poucos jogadores têm tanta moral quanto o zagueiro Rafa Márquez, do México, nesta Copa do Mundo. Autor do gol que abriu o caminho para a vitória por 3 a 1 sobre a Croácia, o defensor tornou-se neste ano o único jogador na história dos Mundiais a ser capitão em quatro edições seguidas. Inclusive, exceto em 2002, ele balançou as redes em todas as demais participações. Para o técnico mexicano Miguel Herrera, o elenco é Rafa e mais 22.

- Quando me deram a oportunidade de ser o tecnico, eu liguei para o Rafa e disse que ele seria meu líder. Precisava de um líder, de alguém para gritar, comandar o time e passar minhas instruções. Assim que desliguei o telefone, não tive dúvidas em dar a braçadeira de capitão para ele. Rafa foi meu primeiro na lista dos 23 - afirmou técnico, revelando em seguida como o grupo chama Rafa Márquez nos bastidores.

- Ele é nosso líder. É por isso que ele é chamado como Patrão por todos.


E MAIS
> Técnico do México detona a arbitragem e vê perseguição do apito no Mundial
> México atropela Croácia no segundo tempo e se garante nas oitavas de final

Nas oitavas da Copa, o México vai encarar a Holanda, domingo, em Fortaleza. O adversário é complicado, porém Miguel Herrera crê na classificação e já consegue imaginar seu capitão no topo do pódio.

- Já estou pensando no Rafa levantando a Copa do Mundo.

Aos 35 anos e com passagem de 2003 a 2010 pelo Barcelona, Rafa Márquez atualmente defende o León (MEX). Agora, o jogador e seus companheiros tentam, mais uma vez, não 'morrer na praia' nas oitavas de final. Em 2002 (contra os Estados Unidos), 2006 e 2010 (contra a Argentina), o México ficou pelo caminho um jogo após passar pela fase de grupos. Porém, para Rafa Márquez, o elenco deste ano é especial.

- O lema deste grupo é 'Vamos entrar para a história'. Os jogadores e comissão técnica têm muita união, e isso nos dá a solidez que temos hoje. Nós temos alegria para trabalhar. Não vivi isso em outras épocas pela seleção - destacou o zagueiro, que em 2002 tinha apenas 23 anos, mas era o dono da braçadeira por conta de atuações seguras pelo Monaco (FRA).