icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
19/08/2015
06:38

O posicionamento ideal para Paulo Henrique Ganso em campo é tema de discussão há muito tempo e motivou uma conversa entre Pato e o técnico do São Paulo, Juan Carlos Osorio. O atacante perguntou ao comandante se o companheiro poderia jogar mais recuado, de volante, como o italiano Andrea Pirlo, seu companheiro na época de Milan (ITA). O papo foi revelado pelo próprio Osorio, em entrevista à ESPN. E ele explicou porque acha que não daria certo.

- Eu lembro de Pato falando comigo sobre Paulo Henrique (Ganso). Ele me perguntou se ele (Ganso) poderia jogar como volante. Não como meia de ligação. Eu falei, muito boa pergunta, mas eu posso apostar que eu sei, conheço a razão para sua pergunta. E apostamos. E eu falei: você pergunta se Ganso pode ser a coisa que Pirlo. Acertei, e ele ficou surpreso - contou Osorio, no programa Bola da Vez, que foi ao ar na última terça-feira.

- É natural, você jogou com Pirlo, um meia jogando de volante. É o único que faz isso no mundo. Porque no Milan era rodeado com volantes de trabalho, como Gattuso. Ano passado, na Juventus, jogava Pogba, Vidal e Marchisio, então Pirlo podia destruir e jogar - completou o colombiano.

Com Osorio, Ganso tem jogado como meia atrás dos atacantes, fazendo a ligação, como normalmente atua. Só que o técnico não abre mão que o camisa 10 ajude na marcação. Segundo ele, este tipo de jogador que não dá combate o aborrece.

- Tenho problema quando qualquer jogador veste a 10 e não compete, não corre, não ajuda. Aí tenho problema. Meus times todos tiveram meia que competem, correm, jogam. Cardona, Cadernas... Conclusão: valorizo muito o talento, porém também acho que o talento é mal interpretado - analisou.

Na entrevista, Osorio também reforçou sua defesa à filosofia de rodízio e apontou uma tese sobre o desgaste físico dos atletas. Segundo ele, é impossível um jogador atuar três jogos consecutivos com a mesma condição.

- É impossível jogar três jogos com a mesma intensidade. Eu sempre pergunto aos atletas: Você consegue? Dizem que sim. Mas com a mesma intensidade? Não respondem. Mas se disser que sim, eu digo que é impossível, e mostro até na Europa, com gráficos. É Impossível, na Europa, Mourinho (José, técnico do Chelsea), Fergurson (Alex, ex-técnico do Manchester United) mudam o time - definiu o colombiano.


O posicionamento ideal para Paulo Henrique Ganso em campo é tema de discussão há muito tempo e motivou uma conversa entre Pato e o técnico do São Paulo, Juan Carlos Osorio. O atacante perguntou ao comandante se o companheiro poderia jogar mais recuado, de volante, como o italiano Andrea Pirlo, seu companheiro na época de Milan (ITA). O papo foi revelado pelo próprio Osorio, em entrevista à ESPN. E ele explicou porque acha que não daria certo.

- Eu lembro de Pato falando comigo sobre Paulo Henrique (Ganso). Ele me perguntou se ele (Ganso) poderia jogar como volante. Não como meia de ligação. Eu falei, muito boa pergunta, mas eu posso apostar que eu sei, conheço a razão para sua pergunta. E apostamos. E eu falei: você pergunta se Ganso pode ser a coisa que Pirlo. Acertei, e ele ficou surpreso - contou Osorio, no programa Bola da Vez, que foi ao ar na última terça-feira.

- É natural, você jogou com Pirlo, um meia jogando de volante. É o único que faz isso no mundo. Porque no Milan era rodeado com volantes de trabalho, como Gattuso. Ano passado, na Juventus, jogava Pogba, Vidal e Marchisio, então Pirlo podia destruir e jogar - completou o colombiano.

Com Osorio, Ganso tem jogado como meia atrás dos atacantes, fazendo a ligação, como normalmente atua. Só que o técnico não abre mão que o camisa 10 ajude na marcação. Segundo ele, este tipo de jogador que não dá combate o aborrece.

- Tenho problema quando qualquer jogador veste a 10 e não compete, não corre, não ajuda. Aí tenho problema. Meus times todos tiveram meia que competem, correm, jogam. Cardona, Cadernas... Conclusão: valorizo muito o talento, porém também acho que o talento é mal interpretado - analisou.

Na entrevista, Osorio também reforçou sua defesa à filosofia de rodízio e apontou uma tese sobre o desgaste físico dos atletas. Segundo ele, é impossível um jogador atuar três jogos consecutivos com a mesma condição.

- É impossível jogar três jogos com a mesma intensidade. Eu sempre pergunto aos atletas: Você consegue? Dizem que sim. Mas com a mesma intensidade? Não respondem. Mas se disser que sim, eu digo que é impossível, e mostro até na Europa, com gráficos. É Impossível, na Europa, Mourinho (José, técnico do Chelsea), Fergurson (Alex, ex-técnico do Manchester United) mudam o time - definiu o colombiano.