icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci, Guilherme Amaro e Marcio Porto
icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci, Guilherme Amaro e Marcio Porto
27/07/2013
08:11

A experiência da equipe é um dos pilares do Santos para sonhar alto neste Brasileirão. Embora o time de Claudinei Oliveira, invicto há seis jogos, seja frequentemente associado à juventude dos garotos formados na base do clube, os titulares do Peixe são, na maioria, rodados e vencedores.

Neste sábado, às 21h, contra a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli, por exemplo, a equipe terá média de idade de pouco mais de 27 anos. O número é quase igual ao do rival Corinthians (27,3 anos) e superior aos de Palmeiras (26,3) e São Paulo (26,6).

– Nosso time é maduro, e isso está possibilitando que os garotos entrem e joguem bem. O Leandrinho e Neilton já são realidade, o Gustavo está entrando muito bem... O jogo contra o Crac, quando usamos muitos garotos, foi atípico, pois optamos por poupar alguns titulares – comentou o técnico Claudinei Oliveira, que se empolga com a perspectiva de futuro dos jovens atletas do Peixe.

– A médio prazo, se tudo correr bem, o Santos pode ser a única equipe do Brasil com 80% de jogadores formados na base, como é o Barcelona. Temos de ter paciência – disse.

A espinha dorsal alvinegra conta com uma defesa envelhecida, com Aranha, Edu Dracena e Léo acima da casa dos 30 anos. O meio também é experiente, com Arouca, Cícero e Montillo. O ataque é o único setor composto apenas por garotos: Giva, que ganhou a vaga de Willian José, de 20 anos, e Neilton, de 19.

O time tende a ficar ainda mais velho, já que Thiago Ribeiro, de 27 anos, contratado na última semana, já está integrado ao elenco e deve assumir a titularidade em breve.

A juventude santista está principalmente no banco de reservas. A começar pelo técnico Claudinei Oliveira, 43, um dos mais novos comandantes da Série A. Quase todos os suplentes do Peixe são formados na base do clube. Há, inclusive, alguns menores de idade, como Victor Andrade, de 17, e Gabriel, de apenas 16.

A diretoria do clube aposta na mescla entre veteranos e garotos para ter sucesso no segundo semestre.

– Essa junção dos jovens com os mais experientes é fundamental para o time. Acreditamos que nossa base é muito boa e o Claudinei está sabendo aproveitá-la. O Santos tem time para brigar por títulos – disse o vice-presidente Odílio Rodrigues.

A experiência da equipe é um dos pilares do Santos para sonhar alto neste Brasileirão. Embora o time de Claudinei Oliveira, invicto há seis jogos, seja frequentemente associado à juventude dos garotos formados na base do clube, os titulares do Peixe são, na maioria, rodados e vencedores.

Neste sábado, às 21h, contra a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli, por exemplo, a equipe terá média de idade de pouco mais de 27 anos. O número é quase igual ao do rival Corinthians (27,3 anos) e superior aos de Palmeiras (26,3) e São Paulo (26,6).

– Nosso time é maduro, e isso está possibilitando que os garotos entrem e joguem bem. O Leandrinho e Neilton já são realidade, o Gustavo está entrando muito bem... O jogo contra o Crac, quando usamos muitos garotos, foi atípico, pois optamos por poupar alguns titulares – comentou o técnico Claudinei Oliveira, que se empolga com a perspectiva de futuro dos jovens atletas do Peixe.

– A médio prazo, se tudo correr bem, o Santos pode ser a única equipe do Brasil com 80% de jogadores formados na base, como é o Barcelona. Temos de ter paciência – disse.

A espinha dorsal alvinegra conta com uma defesa envelhecida, com Aranha, Edu Dracena e Léo acima da casa dos 30 anos. O meio também é experiente, com Arouca, Cícero e Montillo. O ataque é o único setor composto apenas por garotos: Giva, que ganhou a vaga de Willian José, de 20 anos, e Neilton, de 19.

O time tende a ficar ainda mais velho, já que Thiago Ribeiro, de 27 anos, contratado na última semana, já está integrado ao elenco e deve assumir a titularidade em breve.

A juventude santista está principalmente no banco de reservas. A começar pelo técnico Claudinei Oliveira, 43, um dos mais novos comandantes da Série A. Quase todos os suplentes do Peixe são formados na base do clube. Há, inclusive, alguns menores de idade, como Victor Andrade, de 17, e Gabriel, de apenas 16.

A diretoria do clube aposta na mescla entre veteranos e garotos para ter sucesso no segundo semestre.

– Essa junção dos jovens com os mais experientes é fundamental para o time. Acreditamos que nossa base é muito boa e o Claudinei está sabendo aproveitá-la. O Santos tem time para brigar por títulos – disse o vice-presidente Odílio Rodrigues.