icons.title signature.placeholder Fábio Aleixo
07/11/2013
09:39

Ivan Dodig, parceiro do brasileiro Marcelo Melo nas duplas, desfruta hoje a possibilidade de estar entre os melhores do mundo e jogar as Finais da ATP. Mas o prazer que tem agora, não apaga as agruras que teve de enfrentar para se firmar no circuito mundial.
 
Na época de juvenil e no início no profissionalismo, Dodig sofreu com a falta de dinheiro para disputar torneios. Teve de dormir em albergues, estações de ônibus, trem e até embaixo de uma ponte, como noticiaram jornalistas croatas. Economia era a palavra de ordem.
 
– Nunca tive apoio da minha federação. O passado foi muito difícil. Muitas vezes não tinha dinheiro para jogar os torneios – disse Dodig, que  segue sem patrocínio.

E MAIS:
> Rafael Nadal visitam brasileiros do Chelsea em Londres
> Nadal avança à semi em Londres e terminará ano no topo
 
Nascido na cidade de Medjugorje, na Bósnia e Herzegovina, em 1985, Dodig disse que não teve problemas por causa da guerra enfrentada por seu país natal entre 1992 e 1995. À época ainda uma criança, se divertia pela televisão acompanhando as raquetadas do mais vitorioso tenista croata de todos os tempos: Goran Ivanisevic, campeão do Grand Slam de Wimbledon em 2001 e medalhista de bronze na Olimpíada de Barcelona, em 1992.
 
– Ele  é, com certeza, o cara que eu mais seguia e com quem sempre sonhei em ser igual. Ele é bom com todos jogadores, sempre procura ajudar os croatas. É excelente tê-lo por perto, como um amigo que te dá conselhos – afirmou Dodig.
 
Apesar do passado turbulento, Dodig vive um bom momento, Além de ser sexto colocado do ranking de duplas e disputar pela primeira vez as Finais da ATP, ele vai bem em simples, ocupando o Top 50 desde junho. Nesta semana é 33.
 
– Enquanto me sentir bem fisicamente, jogarei simples e duplas. Não terei condições de jogar os dois todas as semanas, mas é questão de fazer um bom calendário – disse.
 
Nesta quinta-feira, às 10h (de Brasília), ele e Melo buscam vaga na semifinal . Para isso, têm de vencer Mariusz Fyrstenberg  e Marcin Matkwoski.

O repórter viaja a convite da ATP