icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/03/2014
18:42

Classificados, Palmeiras e Santos se enfrentam no próximo domingo, às 16h, na Vila Belmiro, para decidir quem fica com a primeira colocação geral da fase classificatória do Paulistão. As duas equipes têm histórico recente de confrontos equilibrados, viradas épicas e até dancinhas engraçadas. De 2000 a 2013, em Campeonatos Estaduais, foram 16 jogos com cinco vitórias alviverdes, cinco alvinegras e seis empates. Sendo que o Palmeiras balançou as redes 25 vezes, enquanto o Santos marcou 23 gols. O Lance!Net relembra cinco partidas marcantes de tempos recentes entre as duas equipes. Veja!

04/06/2000 - Santos 3 x 2 Palmeiras, Semifinal

Havia 16 anos que o Santos não chegava à decisão de um Campeonato Paulista. E foi só no último minuto do jogo que a classificação chegou. O grande responsável pelo feito foi o técnico Giba.

O Palmeiras iniciou a partida, no Morumbi, vencendo. E foi assim até a segunda etapa, com 2 a 0. Então, o técnico santista resolveu mexer no time. Colocou Eduardo Marques no lugar do lateral direito Baiano e Dodô na vaga de Valdir Bigode. As substituições surtiram efeito. Aos 24 minutos, Eduardo Marques diminuiu com um chute de fora da área e o empate com Anderson, aos 33. Dodô definiu o marcador aos 45 minutos da etapa complementar, sacramentando a classificação santista.

18/04/2009 - Palmeiras 1 x 2 Santos, semifinal

Num jogo de muita tensão, o Santos conseguiu bater o Palmeiras no Parque Antarctica lotado. O Peixe saiu na frente aos 17 minutos do primeiro tempo. Neymar deixou Madson na cara do gol. O camisa 10 deu um leve toque na saída do goleiro Marcos e abriu o marcador. Neymar foi derrubado dentro da área por Maurício Ramos, que foi expulso no lance.

Kléber Pereira, cobrou e ampliou aos 8 minutos da segunda etapa. No final da partida, Domingos, que entrou no lugar de Neymar e Diego Souza discutiram e armaram a maior confusão. Domingos foi empurrado e caiu no gramado, fingindo algo mais grave. O camisa 7 palmeirense ficou inconformado e correu atrás do santista, o agredindo com uma rasteira. O jogo ficou paralisado por cinco minutos. O árbitro da partida expulsou os dois jogadores. Nada mais mudou.

14/03/2010 - Santos 3 x 4 Palmeiras, primeira fase

O jogo aconteceu na Vila Belmiro. O Santos vinha embalado, ganhando com goleadas. E, de inicio, parecia que o roteiro iria se repetir. O time da casa começou vencendo por dois gols de diferença. Pará marcou aos 10 minutos, Neymar ampliou aos 30 e comemorou dançando, como era de costume. Foi dos pés do atacante Robert, que começou a reação palmeirense. Ainda no primeiro tempo, aos 40, ele fez o primeiro. O segundo saiu dois minutos depois. E ficou marcado também por uma dança. Desta vez, foi Armeiro quem comemorou de forma engraçada. A dança ficou conhecida como 'Armeration'. No decorrer da segunda etapa, mais três gols foram marcados. Diego Souza aos 11 minutos, Madson aos 34 e Robert, decretando a virada aos 42 minutos. Neymar, do Santos, e Leo, do Palmeiras, foram expulsos.


05/02/ 2012 - Santos 1 x 2 Palmeiras, primeira fase

Estraga prazeres! No aniversário de Neymar, o Santos levou a virada nos minutos finais do jogo. Até o minuto 43 da segunda etapa, o Santos vencia o clássico contra o Palmeiras. Neymar, com seu centésimo gol, comemorava 20 anos com a festa perfeita. No entanto, Fernandão e Juninho acabaram com a alegria santista e viraram o marcador. Garantindo a vitória palmeirense por 2 a 1 no Prudentão. Com o resultado, o Palmeiras reforça o estigma de carrasco de Neymar. Eram sete jogos sem perder para a equipe santista, com o camisa 11 em campo. Sendo cinco vitórias e dois empates.  

27/04/2013 - Santos 1 x 1 Palmeira, quartas de final

Neymar não brilhou como de costume. Escalado de última hora, por conta de dores na coxa esquerda, o camisa 11 perdeu, pelo menos, duas oportunidades claras. Se não era dia dele, foi dia de Rafael. Foi a vez do goleiro mostrar que também tinha estrela. A partida, válida pelas quartas de final, terminou empatada em 1 a 1, com gols de Cícero, aos 12 da primeira etapa, e Kleber, aos 38 minutos da etapa complementar.

Nas penalidades máximas, Rafael defendeu as cobranças de Kleber e Leandro e garantiu a classificação do Peixe por 4 a 2.