icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/04/2014
08:00

Alan Kardec não foi o primeiro e, muito provavelmente, não será o último artilheiro a deixar o Palmeiras para outra equipe brasileira. Casos recentes como o de Vágner Love em 2009, e o de Hernán Barcos, em 2013, retratam os problemas vividos pelo Verdão. Nenhum dos três completaram um ano com a camisa do clube.

Apesar de nem todos deixarem o time palestrino, os três eram considerados jogadores providenciais para que a equipe alviverde mantesse um time competitivo e de alto nível.

Vágner Love, jogador que surgiu na base do Palmeiras, chegou ao clube em Agosto de 2009, após empréstimo ligado ao CSKA (RUS). Na época, o Verdão que era comandado por Muricy Ramalho vivia um grande momento no Campeonato Brasileiro.

Time que tinha Diego Souza, Pierre e Marcos, além do camisa 9, despencou na tabela, e perdeu a chance de conquistar o pentacampeonato da competição. Love, como um dos mais experientes e habilidosos do grupo, recebeu a responsabilidade por parte da torcida palmeirense, e chegou a ser agredido por integrantes de uma das organizadas do Verdão.

Após esse episódio, o atacante deixou o Palmeiras, no início de 2010, sem custos algum para a equipe do Flamengo, onde assinou um contrato por empréstimo até Julho do mesmo ano.

O Caso do argentino Barcos foi diferente. O Pirata, que era ainda desconhecido pela torcida do Palmeiras, chegou à equipe em 2012, prometendo 27 gols na temporada, e cumprindo o trato.

Tornando-se um ponto essencial na equipe de Luis Felipe Scolari, o centroavante, também capitão da equipe, foi "o cara", junto de Marcos Assunção, do título da Copa do Brasil de 2012, e chegou à seleção argentina, sendo cogitado para disputar a Copa do Mundo de 2014.

Porém, a pífia campanha da equipe alviverde durante o Campeonato Nacional do mesmo ano fez com que o Verdão caísse pela segunda vez para a Série B. A partir daí se iniciou uma novela, que foi finalizada de uma forma infeliz para o Palmeiras.

Paulo Nobre, junto do diretor executivo Carlos Brunoro, recebeu uma proposta do Grêmio para vender o argentino. Em troca, a equipe Tricolor disponibilizou três jogadores definitivamente ao Verdão, Vilson, Léo Gago e Rondinelly, contendo um quarto, no caso Leandro, por empréstimo.

A explicação dos mandatários alviverdes foi a de suprir dívida que a equipe paulista tinha com o próprio Pirata, também ganhando quatro novos atletas para o elenco que disputaría a Segunda Divisão. Hoje, Vilson, Léo Gago e Rondinelly já deixaram à Academia, enquanto Leandro ainda não vingou.

O último acontecimento foi o de Alan Kardec. Centroavante que chegou por empréstimo do Benfica (POR), mostrou que poderia ser o novo goleador do Verdão, com atuações regulares e importantes durante conquista da Série B e gols no Campeonato Paulista.

O clube alviverde, que tinha a preferência para acertar com o Kardec até o fim de Maio, relaxou e viu um de seus rivais paulistas, o São Paulo, atravessar os negócios e acertar com o jogador, por 4,5 milhões de euros.  

Com mais uma perda importante no elenco, o Palmeiras agora está atrás de seu novo homem de referência. Nomes como o de Walter, do fluminense, está sendo estudado. Henrique, ex-portuguesa, foi apresentado nesta segunda, mas chega em meio de desconfiança e pressão.