icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena e Thiago Ferri
31/07/2014
18:29

Em busca de um camisa 10, o Palmeiras procurou o meia Cleiton Xavier, do ucraniano Metalist. O jogador mantém contato frequente com o presidente Paulo Nobre e gostaria de voltar ao clube que defendeu entre 2009 e 2010, mas os valores assustaram - o argentino Maxi Moralez, da Atalanta (ITA), é outra opção para o setor, hoje mais viável.

O Metalist quer 6 milhões de euros (mais de R$ 18 milhões) para vender Cleiton Xavier e avisou que não tem intenção de emprestá-lo. Nessas condições, o negócio não vai sair: o Palmeiras não tem dinheiro em caixa e as chances de um investidor se interessar por um atleta de 31 anos de idade são praticamente nulas. O contrato dele na Ucrânia, renovado recentemente, vence só no meio de 2017.

Relembre o golaço de Cleiton Xavier

Podem pesar a favor do Verdão o carinho pelo clube e a boa relação com a diretoria. Além disso, a Ucrânia está envolvida em conflitos e tem assustado vários atletas. O atacante argentino Jonathan Cristaldo, outro que está na mira do Verdão, nem se reapresentou para a pré-temporada do Metalist.

Cleiton Xavier e Paulo Nobre conversam quase diariamente desde o meio do ano passado. Na ocasião, o armador utilizou as instalações da Academia de Futebol para tratar uma lesão na coxa direita e até retirou uma ação que movia contra o clube, pedindo o pagamento dos direitos de imagem - ele já havia vencido em primeira instância. As partes chegaram a um acordo na ocasião.

Autor de 16 gols durante sua passagem pelo Verdão, Cleiton não ganhou títulos, mas saiu com moral junto à torcida, especialmente pelo gol que marcou contra o Colo-Colo (CHI), classificando o time às oitavas de final da Libertadores de 2009.