icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena
16/02/2015
08:55

A partir desta terça, Valdivia estará livre para assinar um pré-contrato com qualquer clube e deixar o Palmeiras sem custos depois de 17 de agosto deste ano, quando termina seu vínculo. A diretoria vai intensificar nesta semana a negociação para renovar e planeja oferecer a ampliação do acordo somente até o fim de 2015.

Alexandre Mattos, diretor de futebol do Verdão, está à frente das conversas. A intenção do clube é reduzir o salário do jogador, que hoje é o maior do elenco e gira em torno dos R$ 500 mil. Será oferecido um contrato por produtividade, com valor fixo mais modesto e chance de turbinar os ganhos de acordo com o número de jogos. Aos 31 anos, o Mago sofre com lesões e tem média de aproximadamente 30 partidas/ano em sua segunda passagem pelo Palestra. Ele se recupera de um problema na coxa esquerda, ainda não jogou em 2015 e deve voltar dia 28 de fevereiro, contra o Capivariano.

- Negociação é uma situação interna. O importante é que o Palmeiras já demonstrou para ele que tem interesse em renovar e ele nos disse que também tem esse interesse - disse Mattos, sem entrar em detalhes.

- Tenho prevista uma viagem a São Paulo na próxima semana porque o Palmeiras demonstrou desejo de que o Valdivia fique lá e me interessa conversar - emendou Luis Valdivia, pai e procurador do chileno, ao LANCE!Net.

Outra questão a ser resolvida pelo Palmeiras se refere aos direitos econômicos do armador. O clube possui 54%, Valdivia tem 10% e o conselheiro vitalício Osório Furlan detém os demais 36%. Ele tirou pouco mais de 2 milhões de euros do bolso para ajudar a diretoria a comprar o meia do Al Ain (EAU) em 2010.

Furlan perderá o montante quando o contrato acabar, mas Nobre não vai deixá-lo de mãos abanando. Uma alternativa é fazer um acordo, mas é possível mantê-lo com parte dos direitos, desde que o novo vínculo seja assinado antes de 30 de abril - a Fifa permite que esses compromissos durem no máximo um ano. A partir de maio, a participação de investidores estará totalmente proibida.

- Não acredito que eu vá perder os direitos. Nesse caso, o Palmeiras teria de me devolver o dinheiro. O Paulo Nobre me disse que ia tentar a prorrogação do contrato do Valdivia até 31 de dezembro para vendê-lo na próxima janela - diz Furlan.

Bate-bola com Luis Valdivia, pai do Mago:

LANCE!Net: Você recebeu algum chamado do Flamengo ou de outro clube?
Luis Valdivia: Não, nada. Para mim, o mais importante é ir ao Palmeiras conversar com o senhor Alexandre. Ele teve a gentileza de falar comigo e tenho que respeitar, me comprometi a ir até lá falar com ele. Não falo de outras coisas antes de cumprir meu compromisso.

Como foi a conversa inicial com o Alexandre Mattos?
Falei com ele uma vez, em dezembro. Ele me ligou, foi muito amável, e me comprometi a ir conhecê-lo.

O Valdivia está mesmo disposto a aceitar uma redução salarial?
Não posso falar sobre isso porque não falei com o Alexandre sobre salários, de diminuir ou aumentar. Só falei que vou lá conversar com ele para saber o que estão pensando a respeito de Valdivia. É isso. Não falei nada a mais. O Palmeiras é a casa do Valdivia, uma casa em que ele mora há muitos anos, e isso tem um grande valor para jogador e para a sua família.