icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/04/2014
17:29

O amor pelo Botafogo está, literalmente, no corpo do militar reformado Delneri Martins Viana. Ele tem 82 tatuagens para homenagear o Glorioso e não usa roupa que não seja do time.

A paixão existe, segundo ele, desde sempre. E não respeitou fronteiras. Delneri nasceu em Rio Grande, bem no sul do Rio Grande do Sul, mas renegou a dupla Gre-Nal, embora tenha uma preferência azul.

- Sempre fui botafoguense fanático. Nunca tive influência de ninguém - explicou.

O amor ficou mais intenso em 1969 quando Delneri se mudou para o Rio de Janeiro para ingressar no Exército e virou "loucura" há 15 anos quando foi conduzido para a reserva militar, ficando "liberado" para fazer tatuagens.

- No Exército eu não podia, mas quando fui para a reserva comecei a fazer as tatuagens. Atualmente são 82 - disse.

As tatuagens são, na maioria, para homenagear o clube. São cerca de dez imagens de jogadores, entre eles Garrincha, Nilton Santos e Jairzinho. A próxima já está planejada e com data marcada.

- Na quinta-feira vou fazer uma com os escudos do Botafogo e da Seleção Brasileira e com as imagens de jogadores do Fogão que ajudaram o Brasil a conquistar os títulos que tem - adiantou.

Quando não quer mostrar as tatuagens, o torcedor não esconde o amor pelo Glorioso.

- Todas as minhas roupas, sem exceção, são do Botafogo.

EM FAMÍLIA

Delneri não perde um jogo do Botafogo no Rio de Janeiro e sempre que possível viaja para acompanhar a equipe. A companhia da filha Gláucia nos estádios é constante.

- Tenho duas filhas que também são fanáticas pelo Botafogo, mas a Gláucia é mais. Ela deve ter umas dez tatuagens – revelou, orgulhoso.