icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/06/2014
14:58

Compromisso assinado entre o Rio de Janeiro e o Comitê Olímpico Internacional (COI) para os Jogos de 2016, a limpeza da Baía da Guanabara não será um legado do evento esportivo. Em entrevista à agência de notícias Associated Press, o prefeito da cidade, Eduardo Paes, admitiu que o palco da vela não estará limpo até 2016. O acordo com o COI era de que a poluição no local seria reduzida em 80% até os Jogos.

- Lamento que nós não tenhamos usado os Jogos para limpar completamente a Baía de Guanabara - afirmou Paes, durante evento para a mídia estrangeira, sábado, no Rio.

Segundo outra agências de notiícias, a BBC Brasil, o prefeito foi questionado se o governo seria moralmente ou legalmente responsável caso os atletas fiquem doentes durante a Olimpíada. Paes respondeu que "Claro, eu acho que é nossa responsabilidade". Ele, no entanto, disse acreditar que a situação não oferece risco à saúde dos competidores pois a disputa da vela será realizada numa área menos poluída da Baía.

No mês passado, já havia sido divulgado trechos de uma carta enviada pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente para o Ministério do Esporte em que o órgão admite que a melhor previsão aponta para uma despoluição de 50% da Baía.

Recentemente, alguns velejadores estrangeiros reclamaram das condições do palco da vela. Muitos chegaram a afirmar que o local parece um esgoto a céu aberto.

A despoluição da Baía da Guanabara é um projeto antigo no Rio e que nunca foi colocado efetivamente em prática. O governo do estado é o principal responsável por despoluir o palco da vela.