icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
18/11/2013
09:26

O status de revelação do Campeonato Brasileiro de 2013 ainda não tem o nome definido, já que Vitinho, o principal candidato ao posto, deixou o Botafogo no meio do ano. Apesar da campanha cambaleante do Internacional, o meia Otávio, 18 anos, desponta como um dos nomes para assumir o rótulo de vez no Brasil. Foi assim novamente na derrota para o Goiás, por 3 a 1, no Serra Dourada. Otávio marcou o gol alvirrubro - já tem mais que Diego Forlán, por exemplo -, e foi destaque do time.

O garoto, que estreou ainda em 2012, está consolidado como um dos pontos incontestáveis do Colorado em um ani que pouco deu certo na competição nacional. O interesse dos clubes europeus não mexe com a cabeça do jogador, que em um planejamento perfeito ainda gostaria de ter mais um ano vestindo a camisa colorada.

- Claro que vou ouvir se chegar proposta boa, tem que ver com o Inter também. Mas penso em ficar no Inter, o ideal era ter mais um ano - disse Otávio ao LANCE!Net.

Cada vez mais importante no elenco de Clemer, Otávio tem relação antiga com o treinador. Foi ele que o tirou da lateral direita, no juvenil, e o colocou no meio. Hoje, o jovem é titular com o ex-goleiro no profissional. Apesar do momento ruim colorado, salva-se - o próprio, porém, lamenta a situação no Brasileiro e diz que se o Inter brigasse em cima, poderia estar se destacando ainda mais. Para ele, Vitinho seria um concorrente de peso na briga pelo posto de jovem reveleção. O espelho vai para o meia Oscar, ex-Inter, hoje titular no Chelsea, da Inglaterra, e na Seleção, e Bernard, com cartaz com a camisa amarela e atuando pelo Shakhtar Donetsk, da Ucrânia.

Meia veloz, Otávio começou a tratar a bola com carinho no futsal de João Pessoa, no Cabo Branco, aos sete anos. Passou a defender as cores do Santa Cruz com 11 anos, alternando momentos no futsal e no futebol de campo. Treinava três vezes por semana, indo e voltando de João Pessoa à capital pernambucana levada pelo pai. Ganhava apenas o dinheiro da gasolina. Estudava pela manhã, e por vezes treinava no mesmo dia futsal e campo. Aos 14 anos, deixou de lado as quadras para desfilar de vez na grama. Ao final de 2009, passou a integrar as categorias de base do Inter.

Otávio tem protagonizado principais lances do Inter nas últimas partidas, com D'Alessandro (Foto: Alexandre Lops/Inter)


Como tu analisa essa temporada tua, que tu te firmou de vez no Brasileirão?

Para mim está sendo um ano até que bom, mas não tem como ser bom nessa fase que o Inter está. Estaria melhor se a gente tivesse conseguido as vitórias, estar brigando pelo título ou por Libertadores. Até para mim mesmo. Mas estou conseguindo jogar, ajudar a equipe. Estou conseguindo fazer o que eu posso e ainda dá mais nessas últimas rodadas.

Você tem sido decisivo. Hoje tu acha que é imprescindível ao Inter?

Não, não. Treino todos os dias do mesmo jeito, sempre treinando para manter a vaga ali, se vir alguém e jogar vou entender e treinar para conseguir estar no time de novo. Na verdade quase ninguém tem vaga garantida, só o D'Alessandro que é indiscutível. O resto todo mundo briga.

Mas tuas qualidades, a velocidade principalmente, não são um diferencial?

Fui humilde, marcando, fazendo o que o treinador me pede. Quando o Clemer me pediu e falou que eu tinha que marcar mais, eu tive que marcar e é assim. Vamos fazendo o que o treinador vai pedindo para eu fazer. Acho que estou ajudando a equipe. Chegando na área, conseguindo finalizar.

Ter trabalhado com o Clemer na base também ajuda neste período?

Ele já me conhecia desde a base, sempre me deu liberdade. Na frente, de tentar o drible e a chegada no gol. Sempre me deu isso, essa confiança. Tive mais confiança com ele, e fiz o que ele me pediu sempre. Me ajuda muito, passa bastante confiança para mim e eu tento fazer o que ele pede.

D'Alessandro procura orientar Otávio dentro de campo (Foto: Alexandre Lops/Internacional)


Com os mais experientes, como está a tua relação agora mais afirmado?

Estou conseguindo ajudar e eles passam confiança para mim, a partir dos jogos. Eles me procuram mais também a partir das partidas e do que a gente faz. Me dão confiança, me receberam bem desde que eu cheguei no profissional. Dão moral desde que eu cheguei. Ajudam e dão dicas, vamos buscar essa experiência que eles tem, gravando na cabeça tudo o que eles falam na cabeça.

Tem alguém que tu seja mais próximo ou é algo mais geral, com todos?

Sempre tentamos falar com todos, é geral. Mas o D'Alessandro está sempre do meu lado, me orientando o que eu tenho que fazer. Tem o Rafael Moura também, o Fabrício. Mas todo mundo passa a experiência e orienta.

Quem você colocaria como concorrente na briga como revelação do Brasileiro?

Tinha o Vitinho né, que é indiscutível, jogava muito e foi embora. Agora tem o Marcelo, do Atlético-PR, que eu gosto, que acho bom jogador. O Lucas Silva, do Cruzeiro, também. E por aí vai a lista.

De jogadores jovens, quem te inspira fora do Brasil?

Acho que tem o Oscar mesmo, ou o Bernard que era do Atlético-MG. Estão na Seleção e jogando fora, é o que eu quero seguir. Todo mundo pensa, no futuro, em estar na Seleção. Quem não pensar não tem que jogar futebol

Estar em uma convocação da base daqui em diante pode ser um trampolim para a seleção?

Ajuda bastante, mas estou trabalhando. Se puder outra chance de ser convocado, vou trabalhar para ajudar. Vou trabalhar do mesmo jeito se for convocado pode ser um pulo, como você falou, para a seleção principal.

Você sabe de interesse de clubes no seu futebol? Se falou no Borussia Dortmund...

Nem me meto nisso. Deixo para o Inter e para o meu empresário. Nem me passou nada. Não chegou ainda proposta e eles nem me falam. Não sei de nada, não sei isso do Borussia, se jogar e aparecer algo eu vou analisar.

Otávio tem 6 gols (Foto: Ricardo Rímoli/LANCE!Press)

Tua ideia é sair agora ou ficar um tempo mais no Inter?

Acho que se aparecer algo bom, vou ter que escutar. Mas o pensamento é ficar aqui no Inter, tenho mais cinco anos de contrato. Mas se aparece algo bom para ajudar minha família, claro que vou escutar. Mas tem que decidir com o Inter também.

O ideal seria mais uma temporada no Brasil, então?

É, seria o ideal ficar no Inter mais um ano.

Tem algum time que tu sonhe em defender na Europa?

Que eu falo agora acho que não, todo mundo sonha com times grandes de lá. Um Barcelona ou Real Madrid, times da Alemanha mesmo.

Você subiu no final do Brasileiro ano passado. Os jovens que estão sendo usados vivem situação semelhante. O que tu passa para eles?

Tento sempre orientar do jeito que eu cheguei, como o Fred me orientou quando eu subi ano passado. Eles sabem o que fazem, todos ajudam eles. Falo que tem que manter a humildade, conheço todos da base. E não pode ter medo, tem que saber o que faz. Se subiu é porque tem qualidade e estava fazendo algo na base, tem que manter.

Achas que foi a revelação do Brasileiro?

Deixo com vocês, não gosto de falar sobre isso não, melhor vocês analisarem (risos).