icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
01/06/2014
21:56

O técnico Oswaldo de Oliveira comemorou bastante a vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Criciúma, o segundo triunfo seguido do Peixe no Brasileirão e o primeiro como mandante. Antes dos resultados, o time vinha na parte de baixo da classificação do campeonato, e o treinador estava sendo alvo de muitas críticas e cobranças.

- A vitória só não cura resfriado, é razão e motivação do nosso trabalho. Essas últimas duas vitórias foram importantíssimas para nós. Tivemos viagens, mudanças de campo, então acho que é um prêmio que nosso grupo merece, tanto comissão, quanto direção e jogadores. É revigorante. Agora temos um descanso e depois muito trabalho. O pessoal vai sair do departamento médico e vai voltar ao nosso convívio. Tudo isso deixa uma atmosfera positiva, me deixa otimista para o segundo semestre - exaltou o comandante alvinegro.

Apesar do resultado positivo diante do Tigre, alguns torcedores santistas que foram ao 1º de Maio cobraram a equipe no segundo tempo, quando o Peixe se recuou e parou de criar chances de gol.

Meninos brilham e Santos vence o Criciúma por 2 a 0

Questionado se as goleadas com as quais o Santos se acostumou no Paulistão não seriam mais vistas, Oswaldo negou e apontou o desgaste físico como um dos principais motivos para a mudança de postura na etapa final no duelo deste domingo.

- O nível dos adversários interfere diretamente, sempre disse que nós precisamos saber administrar isso. Ocorre também que só quem saiu para Feira de Santana e depois veio para cá sabe como a gente tem de dosar isso. A gente está cobrando muito hoje a bola em jogo, qualidade técnica, mas a gente está esquecendo disso (sequência de jogos). Mesmo com o nivel de jogadores que temos, ninguém resiste a esse tipo de coisa. Vocês (jornalistas) têm que ser mais comedidos nas críticas, avaliar melhor para não ser esdrúxulos como têm sido - e não só em relação ao Santos - afirmou.

O Santos volta aos gramados pelo Campeonato Brasileiro somente no dia 16 em julho, no clássico contra o Palmeiras, sem local definido pela CBF. Os jogadores ganharam um período de 15 dias de férias e se reapresentam no dia 16 de junho.