icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
07/04/2014
10:42

Pela primeira vez desde que teve início o seu julgamento, o ex-atleta patalímpico Oscar Pistorius foi ouvido no Tribunal de Pretória, na África do Sul. Nesta segunda-feira, o sul-africano prestou depoimento pela primeira vez e se desculpou por ter matado a sua namorada, Reeva Steenkamp, em fevereiro do ano passado (relembre o caso abaixo).

Segundo a agência AFP, Pistorius, de 27 anos, deu o depoimento em um tom de voz tão baixo que mal podia ser notado. A juíza que comanda o julgamento solicitou que o ex-atleta biamputado, acusado de ter disparado a arma quatro vezes contra a namorada, falasse mais alto.

- Gostaria de ter a oportunidade de pedir desculpa aos familiares (de Reeva). Desde que a tragédia aconteceu, não consigo deixar de pensar na família. São as primeiras pessoas em que penso quando acordo todas as manhãs. Não consigo imaginar o quanto sofrem, a tristeza que causei para esta família. Eu só queria proteger Reeva. Quero que todos saibam que ela era amada quando se deitou naquela noite - disse Pistorius.

Na sequência, Pistorius ainda ressaltou que tem passado por problemas durante a noite, pois tem sofrido "pesadelos" e sempre acorda sentindo "cheiro de sangue". Ele também lembrou que tentou enviar uma carta aos familiares:

- Eu tentei colocar minhas palavras no papel e escrever a vocês (da família) muitas, muitas vezes. Mas, nenhuma palavra vai satisfazer - acrescentou.

Nas sessões anteriores do julgamento, a acusação tentou derrubar alguns argumentos da defesa. Entre eles, o de que Pistorius estaria usando as próteses no momento que arrombou a porta do banheiro para verificar se Reeva estava lá após os disparos.

Nesta segunda, a contra-argumentação da defesa foi iniciada. O advogado de Pistorius Barry Roux disse que convocará cerca de 14 testemunhas para falar ao Tribunal.

Relembre o caso de Oscar Pistorius

Oscar Pistorius, de 27 anos, é acusado de matar a tiros Reeva Steenkamp, sua namorada, que na época tinha 29 anos, no dia 14 de fevereiro de 2013. O atleta, no entanto, nega que o ato foi proposital e afirma que disparou contra ela por engano ao ter confundido Reeva com um ladrão escondido no banheiro.

O astro responde em liberdade pelo crime e já foi inclusive autorizado a realizar viagens internacionais. O paratleta também está apto a disputar competições, mas o próprio optou por não competir na atual temporada para focar na defesa do caso.

Além da acusação de assassinato de Reeva, Pistorius ainda foi indiciado por violar a Lei de Controle de Armas de Fogo

Em Londres-2012, ele se tornou o primeiro atleta com as duas pernas amputadas a competir com atletas sem deficiências.