icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
12/02/2015
08:05

Apesar de certa morosidade em alguns momentos da partida, até pela falta de qualidade do adversário, o Flamengo mostrou ontem o que Luxemburgo espera para o restante do ano. Velocidade na troca de passes, recomposição rápida, consciência defensiva e seriedade para não desperdiçar gols. A vitória em si vale muito pouco para analisar a formação deste time, mas os lapsos de bom futebol são um pouco mais animadores.

A ideia de colocar Marcelo Cirino como centroavante pode não ter agradado muito no início, mas ela mostra uma ousadia digna dos grandes tempos de Vanderlei Luxemburgo. Rápido e inteligente, o camisa 7 chega na frente do zagueiro em 90% das oportunidades. Se conseguir aprimorar a finalização e o cabeceio, vai se tornar a grande referência do Flamengo. Mas o trabalho é árduo e o ano é longo. Até agora, obviamente, as atuações dele não passam de promissoras.

Bom elogiar mais uma vez o trabalho de Luxemburgo. O treinador vem mostrando que não está desatualizado. O Flamengo não está jogando o fino da bola ainda, mas as ideias do treinador fazem sentido. Ter dois volantes que saibam sair jogando, três meias que recomponham a linha defensiva e um atacante que funcione como um "falso nove". Todas essas características que admiramos no futebol europeu o Rubro-Negro tem.

Fora isso, um banco com Gabriel (ou Nixon), Eduardo da Silva e Alecsandro não é de se jogar fora. Ainda acredito que com mais uma ou duas peças o Flamengo vá brigar não só pelo título do Campeonato Carioca como na parte de cima da tabela no Brasileirão. No mínimo promissor!