icons.title signature.placeholder
26/11/2014
12:03

Escrever sobre o que precisa mudar no Botafogo é um assunto amplo. O novo presidente do Glorioso, Carlos Eduardo Pereira, terá que resgatar o clube nas mais diferentes frentes, da falta de um bom elenco até o orgulho de ser alvinegro. O desafio é do tamanho da história do clube: gigante.

O Botafogo hoje é terra arrasada. Time com um pé na Série B, com estádio interditado, sem CT para o elenco profissional e para a base. Para piorar o que já é péssimo, o clube está afundado em dívidas e sem credibilidade, ponto este que detona qualquer perspectiva de progresso. Acredito que o primeiro passo ideal para a reestruturação seja recuperar a imagem do clube, atraindo novamente o crédito do mercado e boas possibilidades de negócios.

Nesta linha de raciocínio, Carlos Eduardo tem um aliado importante ao lado, que pode ser utilizado desde já: Carlos Alberto Torres, o capitão do tri da Seleção em 1970. O ex-jogador deve trabalhar como embaixador do futebol alvinegro e seus bons contatos podem costurar belos negócios. Amigo de Beckenbauer, respeitado por grandes empresas e influente... Quem sabe, não pinta um naming rights para o Engenhão? Ou Seedorf não é convencido a investir no Fogão? Ou alguma multinacional injeta grana no clube? As possibilidades são muitas e o Botafogo precisa demais de uma agitação positiva. E o resgate da imagem resultará, naturalmente, em progressos para o clube no geral.

E MAIS
> 'Plano B' de Seedorf no Botafogo poderia ter sido Beckham, diz Carlos Alberto Torres
> Carlos Alberto Torres conta articulação que fez para ter Diego no Botafogo