icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
05/02/2015
22:09

A decisão da Federação Paulista de Futebol de acatar o pedido do Ministério Público e tirar a torcida do Corinthians do Dérbi de domingo na Allianz Arena é um atestado de incompetência. A falência da segurança pública. Ao invés de garantir-se proteção ao torcedor de bem, a corintianos e palmeirenses que querem ver o seu time jogar, em paz, gritando, sofrendo ou comemorando, segue-se o caminho mais simples: torcida única.

Mais grave ainda é essa decisão quando se aplica não a um estadiozinho de interior, e sim a uma das mais modernas arenas já construídas no país, dentro de todos os padrões internacionais de conforto e segurança para o torcedor. E não me venham com a argumentação de que o estádio é novo, de que planos de evacuação não foram testados, que esquemas de segurança ainda não foram postos à prova. Isso só agrava a irresponsabilidade dos que deveriam ser os responsáveis.

E MAIS: 
>  Federação acata recomendação do MP e Dérbi terá torcida única
> Corinthians vai à Justiça para ter seus torcedores no Dérbi
> Mauro Beting: Incompetência única

O fato inconteste é que o torcedor de verdade, cerceado no seu direito de torcer, foi tratado pelo Estado da mesma forma que o bandido. O cidadão de bem virou refém da bandidagem.

Trata-se apenas de um jogo de futebol, dirão alguns.

Não é. É o retrato da (in)segurança pública que assola a cidade. Só falta agora proibirem você de sair à rua depois das 22h como forma de reduzir o número de assaltos e latrocínios nos semáforos.