icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
16/04/2014
07:01

Após 15 jogos e cinco gols pelo Santos, o atacante Leandro Damião ainda não conseguiu convencer a torcida alvinegra, mas a diretoria do clube segue convicta de que fez um bom negócio ao pagar cerca de R$ 42 milhões ao Internacional pela compra do jogador de 24 anos, com financiamento do grupo maltês Doyen Sports.

Em entrevista ao LANCE!Net, o presidente em exercício do Peixe, Odílio Rodrigues, disse acreditar ter feito um bom negócio e rebateu os críticos da transferência.

– O Santos não está arrependido de nada, acredita na opção que fez. A opinião pública pode dar falar com menos compromisso com a realidade. Quando a gente tomou a decisão de contratar esse ou aquele jogador foi dentro de uma ideia e discussão. Antevemos possibilidades de risco, de dar certo ou não. Essa decisão sempre tem risco e é sempre da gente. Tenho amigos que falam: “por que fizeram isso ou aquilo?” Eu respondo: porque acho que estamos fazendo o melhor. A gente, ao final da gestão, vai ter acertos e erros, mas nunca será acusado de omissão – afirmou.

Conselheiros da oposição santista contestam bastante a forma como ocorreu a compra. O Peixe terá de pagar juros de 10% ao ano ao Doyen Sports por conta do empréstimo. Além disso, se obtiver lucro na transferência, terá de repassar 80% ao grupo de investimento.

Odílio disse que parcerias como as que o Santos fez com o Doyen (que também participou da compra de Lucas Lima) são alternativas para o momento difícil que os clubes brasileiros estão vivendo.

– Vejo como necessidade. Quando você busca parcerias é porque está precisando de investidores, de parceiros para chegar àquilo que precisa. Isso é fruto dos problemas que o futebol brasileiro vive. Conseguir verba para custeio já é uma luta, uma loucura, porque os valores são altos, e aí não consegue separar verba para investimento.