icons.title signature.placeholder Gabriel Carneiro
28/04/2014
08:02

Badalado pelos altos valores e pela maneira como o Santos pagará R$ 42 milhões ao Inter, utilizando apoio de um grupo de investimento, Leandro Damião sempre teve sua qualidade técnica blindada por todos dentro do clube. Desde o presidente em exercício Odílio Rodrigues, passando pelos companheiros de time e chegando ao técnico Oswaldo de Oliveira.

Após o empate em 0 a 0 com o Coritiba, jogo em que Damião não finalizou nenhuma bola ao gol adversário, o treinador, de forma inédita, não garantiu sua escalação para a próxima rodada. E também, pela primeira vez, o camisa 9 criticou o comportamento da equipe para justificar o mau futebol exibido no sábado.

– Estou trabalhando para ajudar, mas a bola não chegou. A gente deixou de fazer aquela correria – disse Damião logo após o confronto em que atuou por 45 minutos e só encostou na bola quatro vezes.

Os números do Footstats provam que Damião está certo desta vez: a bola chegou bem menos do que em outras vezes. No jogo anterior contra o Sport, por exemplo, ele tocou na bola 13 vezes e finalizou seis, mas nenhuma das bolas entrou.

Segundo Thiago Ribeiro, Damião “é importante” para o time. Já Gabriel acha que “ele trabalha muito nos treinos e se movimenta para abrir espaços nos jogos”. Contra o Coxa, o camisa 9 ficou centralizado, com os dois companheiros abertos, mas a equipe exagerou nos números de passes errados e a bola chegou poucas vezes à frente. Tanto que o ataque finalizou certo só uma vez.

Irritado com as críticas da torcida, Damião, que não marca há quatro jogos, teve seu álibi contra o mau futebol. Não será todo dia...