icons.title signature.placeholder Alexandre Braz
07/12/2013
18:41

Na partida do dia 26 de outubro, contra o Atlético-MG, no Maracanã, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro, o técnico Oswaldo de Oliveira surpreendeu na escalação e entrou com Gegê no meio-campo, deixando Lodeiro no banco de reservas. De lá para cá, se passaram sete jogos, e o uruguaio, que perdeu três destes por estar com a seleção do seu país, sempre iniciou como opção para o treinador.

Entretanto, para a última e decisiva partida do ano, neste domingo, às 17h, no Maracanã, pela 38ª rodada da competição, o uruguaio estará novamente entre os 11 que iniciam contra o Criciúma. Neste sábado, no Engenhão, em entrevista coletiva, o apoiador falou do momento difícil que passou ao perder espaço no time.  

- Foi uma experiência dura, pois nenhum jogador gosta de sair. Todos querem começar o jogo, mas a decisão é do treinador. Tenho de respeitar. Tive que treinar ainda mais e terei essa nova oportunidade - disse Lodeiro.

No período em que ficou servindo a seleção uruguaia, Lodeiro recuperou o seu lugar na Celeste, que havia perdido antes da Copa das Confederações, disputada no Brasil, no meio do ano. Nas partidas contra a Jordânia, pela repescagem da Copa do Mundo, o camisa 14 foi titular e marcou um gol. Desde o ano passado, Oswaldo de Oliveira costumava dizer que quando ia para a seleção, o meia perdia um pouco o foco e se desgastava fisicamente, o que prejudicava o seu rendimento pelo Botafogo. Na conversa com os jornalistas, Lodeiro explicou que isso realmente acontecia, afirmando que agora, como recuperou seu lugar na Celeste, isso irá beneficiá-lo neste jogo de domingo.

- Quando ia ao Uruguai e não jogava, voltava ao Botafogo e precisava recuperar a confiança. Agora, peguei essa confiança na seleção e pude voltar mais aliviado. Vou poder demonstrar isso - afirmou Lodeiro.

O Botafogo tem 58 pontos e está na quinta colocação do Campeonato Brasileiro. Para chegar à Libertadores, precisa vencer e torcer para o Atlético-PR perder para o Vasco, em Joinville, e para o Goiás não vencer o Santos, no Serra Dourada. Caso apenas um dos adversários tropece, o time dependerá da derrota da Ponte Preta para o Lanús, na decisão da Sul-Americana. O jogo de ida, no Pacaembu, terminou 1 a 1, e a volta será disputada na próxima quarta-feira, no "La Fortaleza".