icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
04/07/2013
20:37

A substituição de um dos melhores líberos da história, Serginho , foi mais fácil do que o esperado. Quando entrar em quadra nesta sexta-feira às 10h, no ginásio Nilson Nelson, em Brasília (DF), para enfrentar a Bulgária, a Seleção Brasileira masculina de vôlei terá em Mário Jr. um dos pilares para tentar recuperar-se na Liga Mundial.

Em meio aos novatos desta geração, o líbero de 31 anos assumiu uma função importante. E tem correspondido, já que é o principal defensor da competição até agora.

Mário Jr. acumula uma média de 2,88 defesas corretas por set. O valor é superior a qualquer outro jogador do torneio. E ele é um dos responsáveis por manter o volume de jogo da equipe de Bernardinho.

– Ter ficado tanto tempo na reserva do Serginho me ajudou bastante. Isso me ajudou a ganhar experiência – disse Mário Jr.

Serginho decidiu retirar-se da Seleção Brasileira após o vice-campeonato olímpico em Londres-2012. Com isso, abriu espaço para o “rival”, convocado pela primeira vez para a equipe apenas em 2008. Dois anos depois, Mário foi titular no título do Mundial da Itália.

A experiência de Mário Jr. será fundamental também por conta do momento vivido pelo time. Na semana passada, conseguiu apenas uma vitória contra a França, e caiu para o segundo lugar do Grupo A.

Os líderes são justamente os búlgaros, que acumulam 14 pontos em seis partidas. O Brasil vem logo depois, com 13. Os Estados Unidos, com 11, também têm chances.

– Se jogarmos com consistência e um pouco mais de regularidade, teremos igualdade de condições – analisou o técnico Bernardinho.

A Seleção ainda fará o segundo jogo contra os búlgaros neste sábado. Os Estados Unidos, por sua vez, viajam para a Polônia, onde farão duas partidas contra os atuais campeões da Liga Mundial. O primeiro jogo ocorre nesta sexta, e o segundo será no sábado.

A substituição de um dos melhores líberos da história, Serginho , foi mais fácil do que o esperado. Quando entrar em quadra nesta sexta-feira às 10h, no ginásio Nilson Nelson, em Brasília (DF), para enfrentar a Bulgária, a Seleção Brasileira masculina de vôlei terá em Mário Jr. um dos pilares para tentar recuperar-se na Liga Mundial.

Em meio aos novatos desta geração, o líbero de 31 anos assumiu uma função importante. E tem correspondido, já que é o principal defensor da competição até agora.

Mário Jr. acumula uma média de 2,88 defesas corretas por set. O valor é superior a qualquer outro jogador do torneio. E ele é um dos responsáveis por manter o volume de jogo da equipe de Bernardinho.

– Ter ficado tanto tempo na reserva do Serginho me ajudou bastante. Isso me ajudou a ganhar experiência – disse Mário Jr.

Serginho decidiu retirar-se da Seleção Brasileira após o vice-campeonato olímpico em Londres-2012. Com isso, abriu espaço para o “rival”, convocado pela primeira vez para a equipe apenas em 2008. Dois anos depois, Mário foi titular no título do Mundial da Itália.

A experiência de Mário Jr. será fundamental também por conta do momento vivido pelo time. Na semana passada, conseguiu apenas uma vitória contra a França, e caiu para o segundo lugar do Grupo A.

Os líderes são justamente os búlgaros, que acumulam 14 pontos em seis partidas. O Brasil vem logo depois, com 13. Os Estados Unidos, com 11, também têm chances.

– Se jogarmos com consistência e um pouco mais de regularidade, teremos igualdade de condições – analisou o técnico Bernardinho.

A Seleção ainda fará o segundo jogo contra os búlgaros neste sábado. Os Estados Unidos, por sua vez, viajam para a Polônia, onde farão duas partidas contra os atuais campeões da Liga Mundial. O primeiro jogo ocorre nesta sexta, e o segundo será no sábado.