icons.title signature.placeholder Bernardo Cruz
icons.title signature.placeholder Bernardo Cruz
30/07/2013
16:45

Feliz e surpreso. Esse é o estado de espírito do lateral Maxwell, do Paris Saint-Germain, e novidade na lista de convocados do técnico Luiz Felipe Scolari para o amistoso do dia 14 de agosto, contra a Suiça, na Basiléia. Em entrevista exclusiva ao LANCE!Net, o jogador afirmou que foi pego totalmente desprevinido com a notícia.

- Fui pego totalmente de surpresa, já estava ocupado com a pré-temporada do Paris Saint-Germain e não esperava essa notícia. Estou muito feliz com a surpresa e espero dar o meu melhor na oportunidade que me foi dada - afirmou.

Durante o bate-papo, Maxwell analisou a concorrência na posição dentro do grupo brasileiro e a oportunidade de poder trabalhar com Felipão novamente. Além disso, não descartou atuar no lado direito caso seja necessário. Confira abaixo:

Como analisa a concorrência na lateral da Seleção? Acredita que existe vaga aberta na posição?

O Brasil tem jogadores de qualidade em todas as posições. Espero que essa convocação seja o início de uma trajetória regular minha dentro do grupo. A maior prova disso foi a Copa das Confederações. O grupo, hoje, está mais fechado. Por isso, permanecer nele é difícil e preciso aproveitar essa chance.

Você é lateral-esquerdo de origem, mas já atuou em algumas oportunidade no lado direito. Veria algum problema em investir nesse setor para continuar na Seleção?

Já tive a oportunidade de jogar pelo lado direito, principalmente na época do Barcelona, em um momento em que enfrentamos muitas contusões. Quando você está na Seleção qualquer oportunidade é bem-vinda. A função do lateral não é muito diferente do outro. Claro que alguns pontos necessitam de adaptação, como a marcação. Mas não seria problema nenhum.

Como é poder trabalhar novamente como o Felipão depois de muitos anos? Chegou a pegar algumas dicas com o Lucas e o Thiago Silva?

Tive uma breve oportunidade de trabalhar com o Felipão no Cruzeiro. Na época, ainda era dos juniores. É muito bacana poder voltar a ter essa oportunidade com um cara que é campeão e um prazer enorme revê-lo. O Lucas e o Thiago Silva me ligaram para dar parabéns, mas não falamos sobre o assunto. A ficha ainda está caíndo e certamente vou falar com eles nos próximos dias.

Chegar em um momento livre de pressões por conta do título da Copa das Confederações te dá maior tranquilidade para aproveitar essa chance?

Creio que sim. Chegar em um grupo mais estável, sólido e confiante é bem mais fácil. O momento ajuda também. Os resultados atuais são bons e isso torna as coisas mais agradáveis.

Qual sua avaliação sobre a Suiça? Por jogar na Europa conhece bem o adversário do Brasil?

A Suiça tem uma seleção jovem e uma marcação muito forte. Possui também jogadores técnicos e rápidos. Acredito que será um bom teste para o Brasil nessa sequência de preparação para a Copa do Mundo. Espero que o grupo se fortaleça ainda mais com esse duelo.

Feliz e surpreso. Esse é o estado de espírito do lateral Maxwell, do Paris Saint-Germain, e novidade na lista de convocados do técnico Luiz Felipe Scolari para o amistoso do dia 14 de agosto, contra a Suiça, na Basiléia. Em entrevista exclusiva ao LANCE!Net, o jogador afirmou que foi pego totalmente desprevinido com a notícia.

- Fui pego totalmente de surpresa, já estava ocupado com a pré-temporada do Paris Saint-Germain e não esperava essa notícia. Estou muito feliz com a surpresa e espero dar o meu melhor na oportunidade que me foi dada - afirmou.

Durante o bate-papo, Maxwell analisou a concorrência na posição dentro do grupo brasileiro e a oportunidade de poder trabalhar com Felipão novamente. Além disso, não descartou atuar no lado direito caso seja necessário. Confira abaixo:

Como analisa a concorrência na lateral da Seleção? Acredita que existe vaga aberta na posição?

O Brasil tem jogadores de qualidade em todas as posições. Espero que essa convocação seja o início de uma trajetória regular minha dentro do grupo. A maior prova disso foi a Copa das Confederações. O grupo, hoje, está mais fechado. Por isso, permanecer nele é difícil e preciso aproveitar essa chance.

Você é lateral-esquerdo de origem, mas já atuou em algumas oportunidade no lado direito. Veria algum problema em investir nesse setor para continuar na Seleção?

Já tive a oportunidade de jogar pelo lado direito, principalmente na época do Barcelona, em um momento em que enfrentamos muitas contusões. Quando você está na Seleção qualquer oportunidade é bem-vinda. A função do lateral não é muito diferente do outro. Claro que alguns pontos necessitam de adaptação, como a marcação. Mas não seria problema nenhum.

Como é poder trabalhar novamente como o Felipão depois de muitos anos? Chegou a pegar algumas dicas com o Lucas e o Thiago Silva?

Tive uma breve oportunidade de trabalhar com o Felipão no Cruzeiro. Na época, ainda era dos juniores. É muito bacana poder voltar a ter essa oportunidade com um cara que é campeão e um prazer enorme revê-lo. O Lucas e o Thiago Silva me ligaram para dar parabéns, mas não falamos sobre o assunto. A ficha ainda está caíndo e certamente vou falar com eles nos próximos dias.

Chegar em um momento livre de pressões por conta do título da Copa das Confederações te dá maior tranquilidade para aproveitar essa chance?

Creio que sim. Chegar em um grupo mais estável, sólido e confiante é bem mais fácil. O momento ajuda também. Os resultados atuais são bons e isso torna as coisas mais agradáveis.

Qual sua avaliação sobre a Suiça? Por jogar na Europa conhece bem o adversário do Brasil?

A Suiça tem uma seleção jovem e uma marcação muito forte. Possui também jogadores técnicos e rápidos. Acredito que será um bom teste para o Brasil nessa sequência de preparação para a Copa do Mundo. Espero que o grupo se fortaleça ainda mais com esse duelo.