icons.title signature.placeholder Bernardo Cruz
23/02/2015
15:52

Léo Moura está indo para um destino, que será seu pelos próximos três anos, que pode ser grande em breve. O Fort Lauderdale Strikers faz parte da liga NASL (North American Soccer League), que é concorrente da MLS (Major League Soccer). Após alguns anos em segundo plano, a liga tem planos de crescimento para rivalizar com a "irmã" mais famosa. O New York Cosmos, onde Pelé jogou nos anos de 1970, é o grande rival e conta atualmente com o atacante Raúl, ídolo do Real Madrid (ESP). As duas equipes, inclusive, se enfrentam na estreia do torneio, que acontece no dia 4 de abril.

- Posso dizer que a NASL é bem ambiciosa, que pensa em desenvolver o futebol sem depender de outras ligas. Ela estava esquecida e agora está vindo com força. Não sei onde vai chegar, mas os times participantes, que tem um bom relacionamento, estão empenhados pelo crescimento - afirmou André Chaves, um dos gestores do Fort Lauderdale.

Léo Moura terá um companheiro e tanto na missão de conduzir não só o crescimento do clube como da própria NASL. Ronaldo Fenômeno é um dos membros da diretoria do Fort Lauderdale Strikes, que é presidido pelo americano Tim Robbie, filho de um dos fundadores do clube na década de 1970, André Chaves, responsável pelo futebol, e Ricardo Geromel. Os sócios assumiram há cerca de dois meses. Além disso, o ex-camisa 9 da Seleção Brasileira afirmou que vai atuar pelo Fort Lauderdale na atual temporada.

- O Ronaldo não precisa dizer o que representa para o futebol mundial. Ter ele no time é algo inacreditável. Ele tem um projeto dele das escolinhas. Acho para ter esse estilo Academy, apesar do futebol ainda não estar no gosto popular, já possui audiências maiores que a da NBA. Então isso casa bem com essa filosofia. Para nós é um sonho e agrega valor a um clube que já tem história do clube - afirmou André Chaves.


Ronaldo Fenômeno faz parte do projeto do Fort Lauderdale Strikers (Foto: Divulgação)

Ronaldo e Léo Moura não serão os únicos brasileiros do elenco do Fort Lauderdale Strikers. Podendo ter até sete estrangeiros em seu elenco, o clube americano aposta também em três jovens brasileiros (Marlon Freitas e Stéfano, do Fluminense, e PC, do Corinthians). Além deles o espanhol Dani Sanchez também faz parte do lado gringo da equipe. Na visão de André Chaves, o mercado americano tem tudo para explodir de vez com esse novo cenário.

- Não acredito apenas em nomes já consagrados e que estão mais perto da aposentadoria como focos para a contratação. A própria garotada, quem está começando, será uma bela porta para poder se desenvolver. O mercado nos Estados Unidos aquece quando o produto vai bem. Os clubes investem, pagam bem. É para ficar animado - acredita.

Outro ponto que André acredita no crescimento do futebol nos Estados Unidos seria a entrada dos clubes na disputa da Libertadores. Algo que, segundo ele, seria a melhor medida a curto prazo para tornar este cenário viável.

- Independente de número de participantes ou de que ligas eles viriam para disputar a Libertadores seria o fator para estorar a audiência e o esporte de lá se abrir para o mundo. Inclusive, acho que a Federação Americana de Futebol já está brigando por isso. Nesse caso ela deveria decidir, talvez, por um de cada liga - analisa.

Na questão de estrutura, o Fort Lauderdale Strikers possui um estádio (Lockhart Stadium) que atualmente tem capacidade para aproximadamente 22 mil pessoas. O objetivo do clube, porém, é ter uma nova arena, provavelmente no mesmo local do atual. No entanto, a mudança para um outro local é tratado como plano B.

Confira abaixo os clubes que fazem parte da NASL além do novo destino de Léo Moura. Vale lembrar que a temporada regular vai de abril até outubro. Depois, os classificados se enfrentam nos playoffs, que vão até metade de novembro.

- Atlanta Silkverbacks
- FC Edmonton
- Indy Eleven
- Minnesota United FC
- Ottawa Fury
- Tamba Bay Rowdies
- Carolina Hailhawks
- Jacksonville Armada
- San Antonio Scorpions
- Virgina Cavalary FC