icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
10/11/2014
14:04

Até o fim do ano, o Palmeiras fará dois jogos no Allianz Parque: contra Sport e Atlético-PR. Às vésperas da eleição do dia 29, o presidente Paulo Nobre, porém, já analisa o 2015 em sua nova casa. Pensando nos clássicos da temporada que vem, o dirigente admitiu que prefere em sua nova casa fazer jogos com apenas a torcida do Verdão presente. Segundo ele, a medida pode ser uma boa saída para a segurança, e também para a obtenção de maiores ganhos do clube.

– Defendo jogo de uma torcida só. Quando dão 5% à torcida visitante em clássicos, vão os torcedores que são mais assíduos, mas que eventualmente acabam entrando em confusão. É um risco ao próprio torcedor e um gasto muito grande até com a segurança. Quando você cede dois mil ingressos, perde muito mais que dois mil. Com torcida única, atendemos mais torcedores, ganhamos mais dinheiro e, de maneira indireta, evitamos que pessoas se machuquem ou até morram – disse, em entrevista à TV Gazeta.

Fazer clássico com a torcida visitante reduzida gerou prejuízo para o próprio Verdão. O time jogou contra o Corinthians na arena de Itaquera, e os palmeirenses quebraram cerca de 170 cadeiras. Um acordo feito com o arquirrival obrigava o Palmeiras a pagar pelo prejuízo, de quase R$ 58 mil. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) ainda multou o clube em R$ 5 mil.

O Allianz Parque não terá setores sem cadeiras – nem aquele onde está prevista a presença de torcidas organizadas – por decisão da WTorre, segundo Nobre.

Depois de quatro anos de espera, o Verdão estreará em sua nova casa no dia 19 de novembro, contra o Sport. Apesar da liberação para usar 43 mil lugares, o presidente do Palmeiras projeta uma carga de 39 mil lugares.

– A WTorre me mostrou na sexta-feira um alvará para 43 mil lugares, mas a Polícia Militar dosa alguns lugares por questão de segurança e acredito que serão colocados à venda em torno de 39 mil ingressos. Os dois jogos que teremos lá neste ano serão testes nos quais podemos corrigir qualquer tipo de problema em conjunto com a construtora – completou.