icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
28/04/2014
16:25

O São Paulo não foi o único alvo de Paulo Nobre na entrevista coletiva desta segunda-feira. O presidente do Palmeiras também se disse decepcionado com o atacante Alan Kardec, que será anunciado pelo rival nos próximos dias. Ele, no entanto, assumiu a responsabilidade:

- O presidente tem de ser homem de assumir. Se o jogador erra um pênalti, em última análise a culpa é do presidente, que o contratou ou o manteve no elenco. Se a negociação não deu certo, eu assumo a responsabilidade inteiramente - disse o dirigente.

- Realmente a discussão estava muito próxima, eu estava tranquilo, mas parece que na sexta-feira passada surgiu o assédio e eles decidiram fechar. É decepcionante, eu esperava mais consideração do jogador, é claro. Mas tenho que reconhecer que nos ajudou muito, sempre tive apreço grande. No futebol acontecem dessas coisas, são carreiras curtas e as pessoas são imediatistas. O Alan Kardec é passado. Temos de trazer outros jogadores para se tornarem ídolos como ele estava começando a trabalhar - declarou.

É verdade que a diretoria do Palmeiras acreditava que a negociação estava quase sacramentada na quarta-feira passada. Os dirigentes esperavam uma última conversa para bater o martelo com Alan Kardec, depositar 4,5 milhões de euros (R$ 13,7 milhões, que seriam pagos com a ajuda de um investidor, segundo o mandatário) na conta do Benfica (POR) e assinar um novo vínculo por cinco anos. O problema é que o estafe do jogador não quis mais conversar.

Àquela altura, Kardec já estava apalavrado com o rival. Nobre só conseguiu falar com o atacante no sábado, dia em que ouviu do pai do atleta que o Palmeiras não tinha mais chances de virar o jogo.

- Não tive nem a oportunidade de cobrir a proposta do São Paulo. Ele me falou que não existia hipótese. Não tive o que fazer - acrescentou Nobre, antes de lembrar que o jogador vive a melhor fase da carreira graças ao Palmeiras.

- Ano passado fui muito criticado por uma parte da torcida por trazer o Alan Kardec, que estava no Benfica B. Eu estava muito seguro. E hoje muitos que criticaram reclamam da saída dele. É nossa obrigação fortalecer o elenco, independentemente do Alan Kardec. Ele estava em completo ostracismo no ano passado e hoje está cotado para a Copa do Mundo - afirmou.

Após perder Kardec, Palmeiras ataca São Paulo