icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
12/06/2014
19:21

Ainda contestado após a vitória magra sobre a Sérvia há uma semana, Neymar espantou qualquer desconfiança e assumiu o protagonismo esperado na Seleção Brasileira. Decisivo como manda o manual dos camisas 10, o craque comandou a virada canarinho por 3 a 1 sobre a Croácia na abertura da Copa do Mundo, nesta quinta-feira, com dois gols e saiu do gramado da Arena Corinthians ovacionado pelos 62.103 torcedores presentes.

O primeiro dos tentos do astro do Barcelona saiu no primeiro tempo. Após roubada de bola de Oscar, Neymar passou por dois marcadores e bateu de perna esquerda. O chute não saiu forte, longe disso. Mas a Brazuca morreu mansa no canto esquerdo baixo do gigante goleiro croata Pletikosa, que já havia parado Paulinho e Oscar.

- Meus gols saem todos mascados, porque assim é mais difícil do goleiro buscar. Eu queria bater por baixo da perna do zagueiro, mas não tão fraco como foi. O importante é que foi gol - explicou o ex-santista, eleito pela Fifa o melhor em campo.

No segundo tempo, Neymar se aproveitou de pênalti polêmico em Fred para balançar as redes pela segunda vez. O gol, novamente, teve pitada de sofrimento, já que Pletikosa chegou a espalmar e provocar "medinho" no cobrador, mas não evitou a virada. Nos minutos finais, o atacante foi substituído  - e muito aplaudido - por Ramires e viu do banco de reservas Oscar fechar a conta na Arena Corinthians. Mais calmo, pôde pensar no novo feito histórico que alcançou na ainda curta carreira.

- Nunca imaginava fazer um gol na abertura da Copa do Mundo, ainda mais dois. Foi melhor do que eu esperava, é uma felicidade muito grande. Somos um time que corre muito e se esforça, então quem está na frente precisa resolver. Estreia é sempre mais difícil, porque você fica esperando, ansioso. Agora já foi, e eu fiz o que pude - declarou ainda no gramado.

O craque brasileiro já avisou que presenteará os pais com as duas camisas que vestiu contra a Croácia, mas o alívio e a festa pela ótima atuação poderiam não ser os sentimentos do atacante após a partida. No primeiro tempo, Neymar deixou o braço no rosto do meia Luka Modric e levou cartão amarelo, para desespero dos croatas que pediam a expulsão ao árbitro japonês Yuichi Nishimura.

- Acabou que minha mão bateu na cara do Modric, até pedi desculpas. Fui tentar me proteger, mas fica a critério do juiz. Se ele viu maldade poderia ter me dado o cartão, mas eu não tive maldade nenhuma. Vou continuar jogando naturalmente, sem pensar nisso como fiz no segundo tempo. Não posso ficar preocupado porque é pior - disse, negando que vá se poupar para não receber o segundo amarelo e pegar um jogo de suspensão.