icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes, Maurício Oliveira e Thiago Salata
10/07/2014
19:04

Abatido, Neymar já havia tentado explicar a goleada sofrida pelo Brasil para a Alemanha e como estava a recuperação da fratura na terceira vértebra. Porta voz da Seleção na última coletiva na Granja Comary, nesta quinta-feira, o camisa 10, porém, não encontrou palavras para detalhar o momento em que foi atingido por Zuñiga, da Colômbia, em jogo disputado no último dia 4.

A lembrança do lance que deixou o protagonista do Brasil fora da Copa levou Neymar ao choro. Dor não apenas por ter ficado fora do restante da Copa do Mundo, mas por imaginar que a joelhada às costas poderia ter determinado o fim da carreira do jogador.

- Foi um lance que não concordo e não aceito. Não vou falar que foi desleal porque não estou na cabeça dele para saber o que pensa. Mas todo mundo que entende de futebol, sabe que não foi uma entrada normal. Quando quer fazer uma falta para parar o jogo e o cara está de costas, chuta o tornozelo, empurra, segura... Mas dá forma que ele veio e como a bola estava chegando, não foi uma situação de jogo. Dizem que sou cai cai, mas não ligo para isso. Quando tenho a visão periférica, consigo me defender, mas de costas não e a regra precisa me defender. Não tive como me proteger e machuquei. Por muito pouco, dois centímetros para dentro, poderia estar em uma cadeira de rodas. Complicado falar de um lance tão importante na minha carreira e acabar sofrendo - disse Neymar, que abaixou a cabeça para chorar.

O trauma, por sua vez, não impediu o jogador de perdoar Zuñiga. Um dia após o acidente, quando já havia deixado Fortaleza, o brasileiro revelou que recebeu uma ligação simpática daquele que proporcionou o fim da primeira Copa de Neymar.

- Perdoaria, sim. Não tenho rancor, não sinto ódio e não sinto nada. Ele me ligou, pediu desculpas, disse que não queria me machucar. Falou até coisas legais. Desejo que tenha sucesso, que Deus abençoe a família e que tenha tudo de melhor - comentou.

Antes de ser atingido por Zuñiga, Neymar não se recordar se o colombiano o provocou, demonstrando, então, que teria a intenção de machucá-lo.

- Falaram sobre isso para mim, mas não lembro. Não sei ele estava falando comigo ou com o companheiro dele. Infelizmente, não lembro - contou.

O fim prematuro da participação no Mundial e eliminação do Brasil na semifinal após goleada histórica para a Alemanha não impedem que o tal sonho de conquistar a Copa falado por Neymar após o corte termine. Pelo menos, assim pensa o jogador que promete, em breve, voltar a realizar a missão a que sempre se propôs:

- Quero ser feliz novamente e voltar a jogar. Voltar a dar alegria ao povo brasileiro, aos companheiros, às crianças, a vocês repórteres. Meu sonho não acabou. Meu sonho foi sempre encantar a todos com meu futebol. Sempre treinando e jogando sorrindo, dando entrevista sorrindo. Não é por causa de uma derrota que vou deixar meu sorriso ir embora. Meu sorriso pode se fechar um dia ou por alguns minutos, mas amanhã voltamos a sorrir.