icons.title signature.placeholder Carlos Antunes
29/07/2014
13:33

No último dia 5 de julho, pelo UFC 175, os fãs do UFC puderam assistir a uma verdadeira batalha entre Chris Weidman e Lyoto Machida, pelo cinturão dos médios. Após cinco rounds de muita disputa, o americano manteve seu título na decisão unânime dos juízes. No entanto, o carateca não digeriu bem o revés e sonha com uma nova oportunidade de rever o adversário no octógono.

Após o combate, Weidman não poupou elogios ao brasileiro, afirmando que ele foi o melhor lutador que já enfrentou. Apesar das belas palavras do campeão, Lyoto não se deixou levar e, em entrevista ao LANCE!Net, tem a consciência de que poderia ter mudado o resultado final da luta e garantiu que vai brigar pela revanche.

- O Weidman é um grande lutador, um cara respeitador, luta como um esportista. Ele é um verdadeiro campeão. É sempre bom receber elogios, sempre gostamos de dar nosso máximo para render o melhor e ser reconhecido. Mas independente disso, essa derrota não vai ficar por isso. Vou correr atrás dessa revanche. Senti que dá para chegar e vou trilhar meu caminho para chegar à disputa de cinturão - disse ao L!Net, em conversa por telefone.

Lyoto Machida mostrou mais agressividade no quarto e quinto round do confronto (FOTO: UFC)

No início do quarto round da disputa, Lyoto Machida levantou os fãs em seu melhor momento. Com agressividade, o brasileiro partiu para o tudo ou nada e deixou Weidman em posição desfavorável. Questionado sobre o motivo de não ter tomou a atitude de ir ao ataque antes, o peso-médio comentou que só naquele momento encontrou a brecha para desferir seus golpes.

- Eu me senti com mais energia do que ele no final. Talvez se tivesse investido antes, no final do segundo round, a história poderia ser diferente. Mas cada momento é um momento e naquela hora não pensei dessa maneira. Agora é difícil falar porque já foi, mas foi uma coisa que ficou na minha cabeça. Na hora da luta não estava encontrando a distância certinha e não adiantava ir afobado. A hora que senti que dava para partir para cima foi aquela - revelou.

E para voltar a caminhada por mais uma chance ao cinturão, Lyoto já voltou com força aos treinamentos. O atleta tupiniquim sabe que precisa estar à disposição de algum chamado do UFC e já tem em mente quem deseja enfrentar no seu retorno.

- Eu não paro de treinar. Tiro uma semana de férias e já volto a treinar, focando na preparação física, com a parte técnica. Me mantenho ativo para planejar a próxima luta e esperar um chamado do UFC. Ainda não tenho nada, lutar no Brasil é sempre muito bom, mas eu quero é lutar. Minha ideia seria encarar um Top 10, Top 5, um nome mais forte para me manter lá em cima e perto de voltar a brigar pelo título - completou.

Machida garantiu que vai voltar a enfrentar Weidman pelo cinturão dos médios (FOTO: UFC)

Confira o bate-papo:
O queixo do Weidman aguentou bem. Te surpreendeu?
Eu já esperava isso, ele é um cara que aguenta pancada mesmo. Mas acho que não consegui conectar um em cheio no tempo certo. Teve um que pegou de raspão, ele balançou, mas conseguiu se recuperar e defender. Isso faz parte da luta, acontece e foi um grande aprendizado para mim.

Acredita que o Weidman pode dominar a categoria?
Essa é uma categoria muito concorrida, acho que atualmente é a mais disputada, com grandes nomes no topo e com chances de vencer o cinturão. Difícil afirmar se ele vai ficar o tanto de tempo que ele costuma falar, mas não acredito que seja dominante, não.

Como foi disputar o cinturão dos médios, já que lutou nos meio-pesados duas vezes?
Achei a mesma coisa, mesma intensidade e calor da torcida na arena. A maior diferença é o peso mesmo, a ansiedade de bater e recuperar o peso. Mas senti que a minha categoria é essa mesmo, embora possa fazer duelos na de cima, vejo os lutadores que enfrentei. No entanto, meu foco é nos médios. Acho que ganhei mais velocidade, explosão, minha movimentação melhorou, mas nunca conseguimos ganhar em tudo. Acredito que também que perdi um pouco de força nos golpes.

O Dana White já te criticou algumas vezes, mas dessa vez elogiou bastante sua luta. Foi bom ouvir isso dele?
É sempre muito bom quando o patrão elogia, fala assim de você e de como atuei. Fiquei muito feliz, mas sempre queremos mais, né? Apesar disso tudo, essa luta não saiu como eu queria. Quero ser campeão e vou continuar minha caminhada para isso.